Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Henrique Raposo
Opinião de Henrique Raposo
A+ / A-

​Bumba na Fofinha, obrigado pela tua barriga não quadriculada

30 set, 2022 • Opinião de Henrique Raposo


Uma mulher que foi mãe há três meses quer ouvir “como estás?, precisas de falar?”, não quer de certeza ouvir o alegado elogio, “ai, meu deus, estás tão bem, tão magra, nem parece que foste mãe” – já repararam na crueldade desta frase que é dita e ouvida todos os dias?

Há dias, numa loja de roupa, voltei a presenciar uma cena demasiado triste e reveladora dos tempos. Levei as minhas filhas para o provador, tinham de experimentar calças e camisolas. O problema começa aqui: este é um momento demasiado tenso e ansioso mesmo para raparigas magras como as minhas. E, à medida que o corpo vai aumentando, a ansiedade vai crescendo. No provador ao lado, duas irmãs mais largas, digamos assim, estavam em pânico, diziam à mãe que nada servia, estavam à beira do choro apesar da roupa assentar bem. Não eram obesas, não eram uma questão médica, eram só mais largas, nada de mais. Eu saí dali porque já não aguentava mais a aflição das miúdas e da mãe, que, de lágrimas nos olhos, olhou para mim em súplica como que a dizer, Faço o quê? Na resposta, o meu olhar confessou, Não sei, não sei o que lhe dizer, não saberia o que fazer, espero não ter de passar por isso.

A tensão desta cena parecia algo saído da passerelle profissional e não de um provador de crianças. Há mesmo qualquer coisa de muito errado na forma como o próprio ar do tempo carrega de ansiedade as raparigas. Os pais estão desarmados: façam o que fizerem, digam o que disserem, estão sempre em minoria perante uma sociedade que pressiona a rapariga com apenas um modelo de corpo que está por todo o lado, nos anúncios de rua, nos anúncios da net, nas séries, no cinema, nas novelas, nas revistas, nas redes sociais. Aliás, devido às redes sociais, ser adolescente é hoje muito mais difícil do que era no passado, e isso nota-se sobretudo nas raparigas.

É por isso que só posso agradecer às estrelas femininas como Mariana Cabral, conhecida por Bumba na Fofinha, que têm a honestidade de aparecer em público (na revista "Women's Health") com o seu corpo real e não com a ficção cavada por horas de ginásio. Esta exposição de Mariana Cabral é especial, porque é feita enquanto mãe, enquanto mulher que ainda está no pós-parto. De resto, esta é outra das pressões adicionais que a sociedade – a começar nas outras mulheres – impõe às mulheres: têm de ser rápidas a sair do corpo que gerou uma vida, como se fosse possível. Não é. O corpo da mulher fica para sempre modificado. E a beleza do corpo vai mudando. Quando me dizem que um corpo de uma mulher madura e mãe não pode ser tão bonito como os corpos tonificados e com barrigas em quadrícula, eu respondo com Adília Lopes, “todos os corpos são bonitos, as modas é que são estúpidas”.

Uma moda que é de certeza estúpida é a glorificação da mulher que dois meses após o parto já tem um ‘six pack’ na barriga e já atravessa a ponte na meia maratona. Há pessoas que conseguem isto? Claro, ainda bem. Mas isso deve ser algo da vida privada dessa pequena minoria, não deve fazer parte da narrativa pública sobre as mulheres. Até parece que o importante é o tal ideal de beleza. Então e a saúde mental dessa mulher no pós-parto? Então e a saúde do bebé? Conseguem dormir lá em casa? Como está a gestão do casamento após a eclosão daquele pequeno e intrusivo gremlin? Uma mulher que foi mãe há três meses quer ouvir “como estás?, precisas de falar?”, não quer de certeza ouvir o alegado elogio, “ai, meu deus, estás tão bem, tão magra, nem parece que foste mãe” – já repararam na crueldade desta frase que é dita e ouvida todos os dias?

O efeito dessa pressão absurda sobre as mulheres é a cena do provador de roupa: meninas de dez anos ansiosas com o corpo como se fossem adultas e top models, como se o seu próprio ganha pão dependesse de um corpo dentro de medidas fechadas. Repito: são crianças. Portanto, enquanto pai de duas raparigas, só posso mesmo agradecer a esta contracorrente de algumas estrelas. É bom que as minhas filhas percebam que não é problema ter as sardas da Deslandes e a barriga flácida e fofa da Bumba na Fofinha, Mariana Cabral.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    05 out, 2022 Porto 19:19
    Análise sensata, inteligente e útil.
  • FF
    04 out, 2022 Lisboa 21:24
    Excelente artigo!
  • Ivo Pestana
    30 set, 2022 Funchal 13:16
    O mal de muitos é repararem nos outros. Cada um merece respeito e cada um é como é. Todos têm valor e contam.