Tempo
|
Henrique Raposo
Opinião de Henrique Raposo
A+ / A-

Nem ateu nem fariseu

Casados e com filhos - a minoria silenciosa?

21 jan, 2022 • Opinião de Henrique Raposo


As famílias foram e continuam a ser submetidas a uma pressão extra que corrói e destrói. Em 2020, por cada 100 casamentos houve 90 divórcios.

Os confinamentos impostos às populações tiveram óbvias consequências físicas e psicológicas. Óbvias, esperadas e anunciadas por aqueles que recomendaram mais sensatez à deriva proibicionista do #ficaremcasa. As famílias foram e continuam a ser submetidas a uma pressão extra que corrói e destrói. O resultado está aí à vista: uma subida histórica do número de divórcios.

Há dias a “Sábado” dizia que em Portugal por cada 100 casamentos houve 90 divórcios em 2020, e que se registou um número recorde num único ano: 17 mil divórcios. E falta 2021, que tem tudo para ser pior ainda.

Ao ler esta notícia, fiquei a pensar numa ideia triste que tenho explorado: os filhos de casais que permanecem casados são cada vez mais uma espécie de minoria. A percentagem de divórcio é tão alta que o novo normal é de facto a separação e a vida em casas diferentes. Aliás, não estou a brincar quando digo que faço parte de uma minoria, sou casado e tenho filhos. E quem é que me defende? Quem é que defende esta grande minoria, os que permanecem casados e que têm filhos? Ou seja, quem é que nesta campanha está preocupado em tornar a vida dos casais mais fácil? É um dos temas centrais aqui destas minhas colunas católicas e familiares da RR: no Portugal do século XXI, manter um casamento com filhos tornou-se muito difícil. E os números, agravados pela pandemia, estão aí: baixíssimo número de filhos por mulher/casal, uma sociedade de filhos únicos, alta taxa de divórcio. Quem está preocupado com a defesa, por exemplo, da jornada contínua à alemã, uma medida que facilitaria a conjugação da vida profissional com a vida familiar? Como é que continuamos a sair do trabalho às 18h, 19h? Como é que o trânsito do Grande Porto e da Grande Lisboa ainda está apinhado às 20h? Como é que se constrói uma família equilibrada neste rolo compressor? E quem é que está a defender uma política fiscal que beneficie de facto a natalidade?

E o que dizer dos nossos filhos? Quem os representa? Quem é que tem coragem para fazer política centrada no futuro? Quem são os políticos que têm coragem para dizer que as pensões de reforma das pessoas já reformadas não podem subir mais, pois esses aumentos põem ainda mais em causa as reformas dos mais jovens no futuro. Os nossos filhos, que começarão a trabalhar e a descontar daqui a 5, 10 ou 15 anos, deveriam ter um óbvio direito: fazer os seus descontos de segurança social para outro sistema, já que este está absolutamente falido. Alguém fala disto? E não estou apenas a falar das reformas de um futuro longínquo. As reformas de quem tem agora 50 anos também não estão no radar da política e só estão à distância de quinze anos. Um aumento da reforma de quem tem agora 70 anos é feito à custa de uma parcela da futura reforma de quem tem agora 55 anos. Já nem falo do meu caso, com 43, ou de pessoas ainda mais novas.

Portugal envelheceu demasiado. Com o passar dos anos, a política e a própria sociedade deixaram de ter energia para impor reformas e mudanças que defendam o futuro, porque de facto esta não é uma sociedade que pensa no futuro. Uma sociedade assim, com uma taxa de divórcio tão alta e com uma taxa de natalidade tão baixa, é uma sociedade em suicídio colectivo e sem uma noção de futuro. Pensar e agir em nome dos filhos e, portanto, do futuro será cada vez mais uma atividade minoritária e silenciosa?

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria de Fátima Cata
    14 mai, 2022 Coimbra 09:09
    Muito bom! Nem com estes textos a classe política acorda!!!
  • Anónimo
    22 jan, 2022 Lisboa 00:12
    Chama-se capitalismo. Bom saber que Henrique Raposo virou à esquerda. Já agora, o "proibicionismo" salva vidas. Se algum familiar seu falecesse de Covid, não usaria esse termo.
  • Jose Maluco
    21 jan, 2022 Lisboa 11:14
    O artigo não tem qualquer sentido lógico, não sendo mais do que uma afirmação de "eu sou puro porque não sou divorciado". As dificuldades que o senhor "puro" advoga para si que é casado, são as mesmas de quem é divorciado (horários, transito, etc.). Ou será que quem é divorciado tem mais facilidade de horário ou apanha menos transito? E relativamente às pensões será diferente? Pronto, ficámos todos a saber que o senhor é "puro" perante "impuros". Pode levar a bicicleta para casa como prémio.