Tempo
|
Henrique Raposo n´As Três da Manhã
Quartas-feiras, às 9h20, n'As Três da Manhã
A+ / A-
Arquivo
Enriquecimento e corrupção. “Temos de desconfiar, por princípio, do poder” - Henrique Raposo
Enriquecimento e corrupção. “Temos de desconfiar, por princípio, do poder” - Henrique Raposo

Henrique Raposo

Enriquecimento e corrupção. “Temos de desconfiar, por princípio, do poder”

21 abr, 2021 • Marta Grosso


Henrique Raposo dá as boas-vindas à “chegada de Marcelo ao debate” sobre enriquecimento ilícito e corrupção e considera que a proposta da Associação Sindical de Juízes “está no caminho certo”.

N’As Três da Manhã, o comentador diz que nem PS nem PSD têm querido fazer mudanças na lei, pelo que saúda “o ralhete de Marcelo”, mesmo que tenha vindo “com o vento” da indignação do processo Marquês, Ivo Rosa e José Sócrates.

Na opinião de Henrique Raposo, “temos de desconfiar, por princípio, do poder. O poder não tem presunção de inocência”, ao contrário do cidadão normal.

“Um político, quando vai para um cargo com imenso poder, a presunção de inocência desce. Faz parte da tradição da democracia liberal”, sublinha, considerando “perigosíssimo” o “clima de raiva” que o sentimento de injustiça e de estar a ser gozado cria nas pessoas.

Por isso, há que avançar já. “Em Portugal, na questão da corrupção, devemos sempre esperar sentados, mas se não é agora quando é?”, questiona.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João
    21 abr, 2021 Viseu 09:19
    «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um bando de ladrões» Agostinho de Hipona (354-430).