Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Problemas demográficos

21 nov, 2022 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Enquanto a população mundial cresce, a população portuguesa diminui. A imigração legal poderá atenuar a falta de mão-de-obra. E o despovoamento do interior não será travado com incentivos fiscais.

Na semana passada a população mundial ultrapassou os 8 mil milhões e vai continuar a aumentar. Assim como crescerá a população urbana (já mais de metade vive hoje em áreas urbanas), diminuindo o número de pessoas que vivem em meio rural.

Pelo contrário, o problema português é o de uma população que envelhece rapidamente. Cada vez mais as principais dificuldades das empresas em Portugal têm a ver com a falta de mão-de-obra, na agricultura, na indústria e nos serviços.

Recuperar uma taxa de natalidade mais alta parece uma ilusão. Então resta recebermos mais imigrantes. Por isso é necessária uma política ativa de atração de estrangeiros para trabalharem no nosso país.

A situação presta-se a graves violações dos direitos humanos dos imigrantes, que o poder político tem obrigação de combater sem hesitações. O facto de nos últimos anos terem sido detetados casos lamentáveis de exploração desumana de trabalhadores estrangeiros em território nacional não permite quaisquer otimismos nesta matéria.

Por outro lado, a tendência mundial de deslocação de habitantes das áreas rurais para áreas urbanas manifesta-se entre nós no despovoamento do interior e na concentração demográfica nas zonas urbanizadas do litoral. É muito difícil contrariar esta tendência; as pessoas em idade ativa que ainda permanecem no interior têm como objetivo prioritário mudarem-se para meios urbanos onde, pensam elas, poderão encontrar oportunidades de emprego. Assim, a acumulação de gente nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, por exemplo, já diminuiu aí a qualidade de vida.

Daí que seja urgente encarar a sério esta questão. Como se tem visto, de pouco ou nada servirão alguns incentivos fiscais para travar o despovoamento do interior, que também atinge algumas áreas não urbanizadas do litoral. Talvez uma aposta forte no desenvolvimento de cidades do interior seja a resposta possível. Mas tal resposta teria de estar fundamentada em estudos credíveis, que por enquanto escasseiam.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    21 nov, 2022 Lisboa 08:43
    A falta de mão-de-obra para as empresas tem razões simples: ao constatar que os salários por cá são uma miséria e ninguém sai da cepa torta, quem pode emigrou em massa para países que pagam salários aceitáveis - excelentes, comparados com o que por cá se paga - e quem ficou já não está para cumprir horário escravo, a troco de salário mínimo ou menor. Uma "política para atrair estrangeiros" para trabalharem no nosso país a troco de bolotas, é pura ilusão: o que vão "atrair" é semi-escravos esfomeados de países na miséria ou quase, para formarem novas Odemiras. E se estão a pensar que "lhes poem uma enxada na mão" e os mandam para o Interior, então ainda estão mais a Leste do que se pensava. E estudos há. O problema é que a classe política quer passar a todo o custo a ideia que só a Regionalização pode resolver estes problemas todos, e está a deixar a coisa "arder", para as pessoas lhes darem depois razão.