Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Petróleo e gás, mercados instáveis

07 out, 2022 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A OPEP voltou a influenciar o mercado petrolífero mundial. Mas a OPEP já não é o que era no séc. XX. Os investidores receiam aplicar dinheiro na produção de combustíveis fósseis e depois não terem procura.

A OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e seus aliados, entre os quais se destaca a Rússia, decidiram reduzir a sua produção petrolífera a partir do fim do corrente mês. O corte na produção será equivalente a 2% da produção mundial de “crude”. É o maior corte desde 2020.

Hoje a OPEP e aliados produzem cerca de 40% do petróleo mundial. O preço do barril de Brent chegou aos 125 dólares em junho passado, depois caiu abaixo de 90 dólares; o corte da OPEP fê-lo subir para cerca de 93 dólares.

Se é verdade que os “stocks” estão baixos, por outro lado sabe-se que vários países da OPEP falharam investimentos na produção. O corte decidido pela OPEP poderá, até, acentuar a falta de interesse em investir num produto que deverá ser abandonado em favor de fontes energéticas não poluentes.

O cartel da OPEP e aliados já foi mais poderoso. Nos anos 70 do século passado a OPEP promoveu dois grandes choques petrolíferos. Recentemente os EUA tornaram-se também produtores de petróleo em larga escala, graças ao “fracking”, petróleo extraído de rochas de xisto, método que vários países europeus não permitem, pelas possíveis consequências negativas para o ambiente.

Quanto ao gás natural, é positivo que as reservas na Europa tenham atingido 90%. E a China importou menos gás, porque a sua economia está a crescer abaixo de 3% ao ano. O preço do gás natural tem vindo a baixar.

Mas os próximos tempos serão de forte agitação nos mercados do petróleo e do gás. As hesitações dos investidores perante o imperativo da descarbonização continuarão a provocar subidas e descidas bruscas nos preços. Os investidores receiam aplicar dinheiro na produção de combustíveis fósseis e depois não terem procura.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.