Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

O BCE e o combate à inflação

22 jul, 2022 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


O atraso do BCE na subida dos juros e a crise política em Itália levaram a um aumento dos juros superior ao anteriormente prevista. O BCE prometeu ajudar, comprando títulos da dívida pública de países da zona euro alvo de especulação perigosa.

Há onze anos que o Banco Central Europeu não subia os seus juros diretores. Fê-lo agora, com algum atraso. Por isso, estando a inflação a trepar de mês para mês, teve de optar por uma subida de meio ponto, quando ainda há pouco previa uma subida de apenas um quarto de ponto. Em Setembro haverá certamente mais subidas dos juros do BCE.

Subir os juros é combater a inflação arrefecendo a economia. Juros mais altos travam a procura na compra de bens de consumo e no investimento empresarial, através do encarecimento do crédito. Se o arrefecimento da economia levar a uma recessão na zona euro, o que não é desejável mas pode ser inevitável, teremos problemas. Tanto mais que boa parte da alta de preços a que assistimos tem mais a ver com problemas de produção do que com excessos da procura.

Antes de começar a reunião onde se tomaram importantes medidas de política monetária, o Conselho do BCE foi confrontado com a crise política em Itália. Draghi, que dava credibilidade às medidas governamentais, demitiu-se, por lhe falharem apoios partidários à direita. A irresponsabilidade de alguns políticos italianos é assustadora.

Foi certamente a pensarem na situação italiana que os governadores do BCE avançaram com o prometido TPI (Instrumento de Proteção da Transmissão da política monetária), que aprovaram por unanimidade, como Christine Lagarde fez questão de sublinhar. Este instrumento de política monetária, que suscita críticas aos mais ortodoxos, por exemplo no Bundesbank, significa que o BCE pode vir em socorro de Estados membros cujos juros subam excessivamente, comprando títulos da dívida desse país. Falta perceber quando o BCE irá intervir e em que condições concretas.

Depois de sucessivas décadas de inflação baixa e de taxas de juro negativas, entrámos agora num novo ciclo económico. Que vai exigir nervos de aço aos responsáveis do BCE.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.