Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Efeitos perversos do dinheiro

20 jul, 2022 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A comissária europeia Elisa Ferreira lembrou que os fundos de Bruxelas são para “fazer a mudança”. O dinheiro pode ter efeitos perversos, se servir para evitar reformas.

Portugal tem de se libertar da dependência dos fundos europeus, afirmou a comissária europeia Elisa Ferreira ao “Público”. E explicou: “Os fundos não são uma coisa que existe para se continuar a fazer o que se fazia antes os fundos são para se fazer a mudança”. Por isso, o nosso país tem de “deixar de acreditar que os fundos são um cheque para manter tudo como está”.

Elisa Ferreira é uma competente economista e em Bruxelas tem um “staff” de economistas para analisar os efeitos dos fundos nos países que os recebem. O aviso que ela lança às autoridades portuguesas deve ser ouvido.

Quando Portugal começou a receber fundos de Bruxelas, poucos anos após aderir à CEE, quase não existiam autoestradas e muitas áreas não dispunham de saneamento básico, por exemplo. Essas carências básicas do país tornavam óbvias as prioridades na aplicação dos fundos europeus. Nessa altura a economia portuguesa aproximou-se das médias europeias.

Depois essas prioridades tornaram-se menos evidentes; não por acaso, a convergência com a Europa comunitária foi substituída pela divergência; e Portugal foi sendo ultrapassado pelas economias de países do Leste europeu, que partiam de bases mais baixas. Isto aconteceu apesar dos fundos – ou talvez mesmo por causa dos fundos.

É fácil de compreender que o dinheiro pode ter efeitos perversos. Suponhamos uma empresa mal gerida, onde a produtividade é muito baixa. Sem uma injeção de dinheiro essa empresa poderá ir à falência. Mas se ela conseguir receber avultados fundos, é possível que os seus gestores nada mudem, pois conseguiram sobreviver.

Assim permanecem recursos humanos e financeiros em unidades improdutivas, em vez de serem utilizados em empreendimentos que criem riqueza. É um passo atrás para o desenvolvimento económico.

Há vários anos que, à escala nacional, um efeito perverso deste tipo terá existido na economia portuguesa. Um efeito que ainda não desapareceu. A julgar pelo que disse Elisa Ferreira, Bruxelas já o percebeu. Falta agora que os nossos governantes também o entendam.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.