Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​Desigualdades intoleráveis

03 jun, 2022 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A pandemia e a subida dos preços da alimentação agravaram a pobreza extrema no mundo. Ao mesmo tempo que se multiplicou a riqueza dos mais ricos.

Depois da euforia decorrente da derrota do comunismo soviético, sucederam-se os avisos sobre a necessidade de reformar o capitalismo, onde as desigualdades de riqueza se vinham a acentuar. No entanto, pouco se fez para contrariar essa tendência.

Parte dessa passividade perante o avanço das desigualdades tem a ver com o que Michael Sandel chama a tirania do mérito. Ou seja, a ideia de que o sucesso e o fracasso na vida são exclusivamente responsabilidade de cada um. (“A Tirania do Mérito”, ed. Presença – um livro cuja leitura recomendo vivamente).

Se os bem-sucedidos na vida julgam que o seu êxito se deve ao seu mérito, não terá grande sentido a solidariedade social e deixa de haver estímulo para ajudar os vencidos do progresso. Estes, por sua vez, sentem-se desprezados pelos vencedores e interiorizam que o seu falhanço se deve a eles próprios. Daí um enorme ressentimento contra as elites, que populistas como Trump souberam habilidosamente explorar.

A ideia de que o sucesso e o falhanço dependem do mérito pessoal foi reforçada por políticos de centro-esquerda. Bill Clinton, a sua mulher Hillary, Barak Obama e Tony Blair avançaram com políticas e justificações que, afirmando-se progressistas, confirmavam afinal a “tirania do mérito”.

Lembra Michael Sandel que a partir das décadas de 1980 e 1990 estes políticos “começaram a aceitar cada vez mais elementos das críticas dos conservadores ao estado-providência, nomeadamente à sua exigente noção de responsabilidade social”. O que levou a associar mais estreitamente o direito às prestações sociais à responsabilidade e ao grau de merecimento pessoal dos destinatários (pág. 63).

Entretanto ocorreu a pandemia da Covid-19. Segundo um recente relatório da Oxfam, intitulado “Lucrando com a dor”, a fortuna dos mais ricos cresceu tanto nos últimos dois anos como nos 23 anos anteriores. Nos dois anos da pandemia surgiu um novo milionário a cada 30 horas. “A fortuna total dos milionários equivale agora a 13,9% do PIB mundial. É o triplo do que representavam em 2000 (4,4%)”.

Enquanto isto, em cada 33 horas surgiu mais um milhão de pobres, muitos em pobreza extrema. Por causa da pandemia e da subida dos preços da alimentação e da energia.

Números escandalosos como estes parecem não ter provocado grande reação. Será que continuamos a assobiar para o lado e a virar a cara à trágica miséria que se agrava no mundo, a par com uma chocante concentração da riqueza numa minoria de ultra ricos?

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.