Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Equilibrar Estado e mercado

28 mar, 2022 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


O Estado interveio em força para compensar famílias e empresas prejudicadas pela pandemia. E volta a fazê-lo para limitar os danos provocados pela inflação, decorrente da guerra. Essas necessárias intervenções acentuam a dependência em relação ao Estado.

O Governo que toma posse na próxima quarta-feira é quase totalmente composto por militantes socialistas. Tem uma perspectiva de quatro anos e meio de vigência, dispondo de uma maioria absoluta no Parlamento.

Será que um executivo com tão favoráveis condições à partida conseguirá romper com a tendência para a estagnação que marca a economia portuguesa no presente século? Contra essa viragem está o papel crescente e pouco mobilizador que tem sido o do Estado.

Não se trata de defender qualquer fundamentalismo liberal. Os fundamentalismos, de esquerda ou de direita, são perniciosos. O que interessa é encontrar um “equilíbrio virtuoso ente Estado e mercado”, como disse António Costa Silva, o novo ministro da Economia e um dos raros ministros que não pertencem ao PS.

O Estado português interveio em força na economia para compensar famílias e empresas prejudicadas pela pandemia. Fez bem, mas importa estar consciente de que essa intervenção acentua a secular dependência dos portugueses em relação ao Estado.

Ora as consequências da guerra da Ucrânia vão obrigar o Estado a nova e muito ampla intervenção para limitar os danos da escalada inflacionária. Parece cada vez mais longínquo o tal equilíbrio entre Estado e mercado de que falava A. Costa Silva.

Numa entrevista de 2018 afirmou o agora ministro da Economia e do Mar: “Há uma espécie de clima de hostilidade em relação às empresas, mas são elas que criam riqueza”. Acrescento que, em parte, essa hostilidade tem a ver com uma herança do marxismo, para o qual o lucro empresarial é um roubo, já que retira ao trabalhador a mais-valia do seu trabalho.

O coletivismo marxista já revelou a sua incapacidade para gerar crescimento económico, mas persistem no PS traços de uma mentalidade hostil à empresa privada. Certamente que Costa Silva tem presente que, para valorizar o papel da iniciativa privada na economia portuguesa, “desde que com regulação do Estado”, terá de enfrentar a tendência contrária estimulada pela necessária intervenção estatal por causa da pandemia e para limitar a escalada dos preços. Não será tarefa fácil.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.