Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Contra as notícias falsas

02 mar, 2022 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A política de informação seguida por Biden na crise da Ucrânia não evitou a invasão, mas terá impedido Putin de recorrer a falsos pretextos para tentar justificar o avanço das suas tropas. Combater a desinformação poderá tornar-se uma arma também na política interna americana.

Na crise que levou à invasão da Ucrânia pela Rússia o Presidente Biden decidiu transmitir publicamente toda ou quase toda a informação de que dispunha sobre as intenções de Putin. Assim, em dezembro a Casa Branca adiantou que a Rússia iria invadir a Ucrânia no início de 2022 com 175 mil militares. E depois, quando Putin classificava de “histeria” os alertas de J. Biden, e alguns na Europa falavam no “interesse americano” em promover uma guerra, sucederam-se alertas de uma próxima invasão. E foi uma brutal invasão que tragicamente aconteceu.

O semanário britânico “The Economist” elogia a transparência dos avisos de Biden. E diz que só um Presidente poderia contrariar a tendência para o sigilo dos serviços de informação. Os alertas de Biden não evitaram a invasão, mas terão impedido Putin de recorrer a falsos pretextos para tentar justificar o avanço das suas tropas. Esses alertas contribuíram também para reforçar a unidade dos aliados da América face a Putin.

O “Economist” aborda ainda até onde uma política de transparência informativa poderia contrariar a mentira de Trump, segundo a qual a última eleição presidencial teria sido ganha por ele, Trump, que não esconde a admiração por Putin e que em 2016 foi eleito presidente com a ajuda de notícias falsas.

Hoje é difícil contrariar uma mentira que um grande número de votantes do partido republicano desde há muito interiorizou como verdadeira. Mas, afirma o “Economist”, a política de transparência poderá antecipar-se a novas “fake news” (notícias falsas), que são previsíveis. Combater a desinformação poderá, assim, tornar-se uma arma também na política interna americana.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Almeida
    02 mar, 2022 Lisboa 07:54
    Invasão? Que raio de texto este....não é uma invasão é guerra. Lamento terem publicado este tipo de texto vazio somente na tentativa dissimulada de apoio a Putin. Guerra não é invasão. Tristeza....