Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

A energia nuclear divide a UE

12 jan, 2022 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Pode a energia nuclear ajudar a transição para uma economia europeia neutra em carbono? A Comissão Europeia, apoiada pela França, diz que sim. A Alemanha opõe-se. A UE está dividida.

A Comissão Europeia propôs que a energia nuclear e o gás natural fossem consideradas fontes energéticas aceitáveis, respeitadas certas condições, para a transição da UE para uma economia descarbonizada. Como era inevitável, esta proposta provocou celeuma, sobretudo quanto à energia nuclear.

A França e outros Estados membros que têm centrais nucleares apoiam a proposta da Comissão. Outros países da União, que não têm centrais nucleares, discordam da proposta. A Áustria, por exemplo, admite recorrer aos tribunais por não aceitar que o nuclear possa ajudar a transição energética para uma economia europeia neutra em carbono. A posição da Alemanha também é contra a proposta da Comissão, que o atual governo alemão considerou ser perigosa.

Em 2002 o governo alemão chefiado pelo socialista Gerard Schroeder decidiu eliminar gradualmente as seis centrais nucleares existentes na Alemanha.

Com Merkel como chanceler, em 2010 o governo alemão decidiu prolongar a vida útil daquelas centrais. Só que o trágico desastre numa central nuclear japonesa, em Fukushima, em março de 2011, levou Merkel a mudar de opinião. Curiosamente, o Japão não desistiu da energia nuclear. Mas a Alemanha decidiu encerrar as suas centrais nucleares até 2022.

Um dos três partidos da atual coligação governamental em Berlim é o partido dos Verdes, muito hostil ao nuclear. Por isso é de esperar que prossigam os encerramentos das centrais nucleares na Alemanha. Três das seis centrais já fecharam.

Compreende-se o receio do nuclear. O problema do lixo radioativo não está resolvido satisfatoriamente. E os problemas de segurança numa central nuclear são uma ameaça preocupante.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.