Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Combater a desertificação

03 dez, 2021 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


O interior do país multiplica queixas de que cada vez tem menos residentes. É urgente uma estratégia realista e partilhada entre o poder local e o central para conseguir resultados.

Na segunda-feira passada a manchete do “Jornal de Notícias” anunciava: “Programa que atraía moradores para o Interior sem procura”. Trata-se de um programa lançado em abril de 2018, mas que só em 2020 foi regulamentado.

É mais uma machadada na esperança de travar o despovoamento da maior parte do território, que já não se limita ao interior do país. O atraso e a aparente falta de convicção com que este programa foi regulamentado sugerem que o poder político já não acredita na possibilidade de travar esse despovoamento.

Mas as lamentações sucedem-se. Em novembro várias associações empresariais do interior alertaram: “precisamos de pessoas”, “não há mão-de-obra”, “os jovens estão todos a sair”, etc.

O problema é, de facto, muito difícil de ultrapassar. Vários concelhos em Portugal oferecem vantagens a quem optar por ali residir. Até hoje, sem grandes resultados. Em Espanha a incapacidade para travar o despovoamento levou já à criação de um partido político tendo como único objetivo combater esse despovoamento.

A crescente urbanização é uma tendência mundial. Mais de metade da população do globo já vive em zonas urbanas.

Mas as novas tecnologias, o teletrabalho e a possibilidade de uma pessoa, vivendo no campo, se manter conectada com o que acontece nos centros urbanos nacionais e internacionais, permitem afirmar que viver longe desses centros é hoje mais atrativo do que no passado. Até porque o custo de vida no interior é manifestamente mais baixo do que nas áreas urbanas de Lisboa ou do Porto.

Mas depois surgem os problemas, como a educação dos filhos, que dificilmente pode ser assegurada em zonas desertificadas.

O primeiro-ministro afirmou há dias que o interior deve usar a “bazuca” para evitar “um país a duas velocidades”. Excelente intenção, mas não chega. Tem que haver uma estratégia realista e partilhada entre o poder local e o central para conseguir resultados.

Multiplicar as pequenas iniciativas, descoordenadas entre si, só virá acentuar a descrença geral na capacidade de o interior atrair mesmo mais população. Sendo que a crescente concentração nas maiores áreas urbanas afeta aí qualidade de vida dos que sofrem engarrafamentos de trânsito infernais e penosas viagens de casa para o trabalho e regresso.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.