Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​Criticar o capitalismo

19 jul, 2021 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Qual é a alternativa que nos oferecem aqueles que consideram o capitalismo uma exploração sem remédio? A resposta é zero. Mas esses críticos radicais deveriam avançar com alternativas futuras, pensadas agora. Não basta criticar.

O Presidente J. Biden anunciou um conjunto de mais de 70 medidas destinadas a promover a concorrência em mercados onde se tem registado uma crescente concentração empresarial. Nos EUA a determinação de combater situações de escassa ou mesmo nula concorrência já não é a mesma do que aquela que, em 1911, dividiu a monopolista Standard Oil em 34 unidades empresariais.

Como seria de esperar, multiplicaram-se nos EUA as reservas empresariais às medidas anunciadas por Biden, do sector da saúde aos transportes. Os gestores proclamam frequentemente as maravilhas da economia de mercado e da livre concorrência, mas reagem mal quando a competição lhes bate à porta. “Capitalismo sem concorrência não é capitalismo - é exploração”, disse Biden.

Veremos até que ponto estas medidas beneficiam os consumidores americanos e as PME. Mas elas evidenciam, antes de mais, a capacidade reformadora do capitalismo. A economia de mercado tem muitos defeitos, mas pelo menos é susceptível de melhoria. A história dos últimos dois séculos revela que o capitalismo evoluiu, nem sempre da melhor forma do ponto de vista social, mas globalmente em sentido positivo. Só que o colapso do comunismo soviético gerou em certos meios empresariais do Ocidente um clima de eufórico “vale tudo” para ganhar dinheiro.

Claro que o capitalismo selvagem deve ser criticado, pois ele é a “economia que mata”, nas palavras do Papa Francisco que tanto escandalizaram há poucos anos. Mas o Papa não condenou a economia de mercado, porque esta é reformável. São benvindas as críticas que levem a melhorias, a reformas. Começando por ter consciência de que o mercado tem limites.

Já os críticos radicais de inspiração marxista ao capitalismo dirão que a empresa privada é, por natureza, uma exploração (pois o patrão fica com a mais valia do esforço dos trabalhadores, uma tese marxista). As críticas radicais surgem com frequência nos “media” portugueses, vindas do marxismo ou de outras ideologias anti-capitalistas.

Mas qual é a alternativa que nos oferecem aqueles que consideram o capitalismo uma exploração sem remédio? Olhando para aquilo que já se tentou ou tenta no terreno, a resposta é zero.

De facto, o comunismo soviético hoje não entusiasma ninguém, por muito que o PCP mostre nostalgia do tempo em que era comandado à distância, a partir do Kremlin. A alternativa será então o capitalismo de Estado, que revelou na China uma impressionante capacidade de crescimento económico, mas que é acompanhado de uma asfixiante repressão política, exercida pelo partido comunista chinês? Será a Coreia do Norte? Cuba? Venezuela? A Bielorrússia? É manifesto que a resposta apenas pode ser negativa.

Daí a sugestão que faço aos críticos radicais do capitalismo: se não existe alternativa a este regime no plano dos factos, daquilo que já se conhece na realidade, esbocem como funcionaria uma alternativa futura. Pelo menos de vez em quando. Não basta criticar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bruno
    20 jul, 2021 aqui 16:15
    Não concordo com todas as coisas aqui escritas. Esta é mais uma repetição do discurso do TINA (there is no alternative), conceito este bastante perigoso porque visa que as pessoas se conformem com a realidade em vez de a tentar melhorar. Também não concordo com a ideia de que quem não tem uma solução para o problema não pode levantar a voz para os denunciar. A Humanidade enfrenta problemas complexos para as quais não existem respostas simples e isso não deve impedir as pessoas de constatar que esses problemas existem.
  • Maria Oliveira
    19 jul, 2021 Lisboa 22:43
    Um artigo excelente, muito frontal e corajoso. A coragem, hoje, significa falar verdade, sem receio de afrontar o "politicamente correcto".