Siga-nos no Whatsapp
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Há dúvidas quanto à eficácia da campanha de vacinação? O que se passa?

Explicador Renascença

Taxas de vacinação da gripe continuam abaixo dos valores do ano passado. O que se passa?

10 jan, 2024 • Hugo Monteiro


As taxas de vacinação estão abaixo dos valores do último ano, realidade que coincide com a transferência da campanha de vacinação para as farmácias. Mas porquê que esses números estão assim tão abaixo do esperado?

Em pleno pico de mortalidade e com as urgências lotadas com casos de gripe, surgem agora dúvidas quanto à eficácia da campanha de vacinação.

Afinal, o que se passa?

A resposta está nos números. A campanha de vacinação conjunta contra a gripe e contra a Covid-19 arrancou em finais de setembro e, na comparação com janeiro de 2023, há nesta altura menos portugueses vacinados.

São quase 10 pontos percentuais a menos na vacinação contra a gripe para os maiores de 60 anos. Os dados mais recentes da Direção-Geral da Saúde apontam para uma cobertura de 63% para a vacina da gripe, muito abaixo da meta de 75% recomendada pela Organização Mundial de Saúde.

E porquê que esses números estão assim tão abaixo do esperado?

Os especialistas apontam três razões. Por um lado, é a primeira vez que a vacinação está a ser feita nas farmácias. O antigo presidente do colégio de medicina geral e familiar da Ordem dos Médicos diz que a rede não estará devidamente preparada para dar resposta às solicitações. Por outro lado, são apontadas falhas na comunicação. Em anos anteriores, as pessoas eram convocadas para comparecerem para serem vacinadas, agora já não são.

E, finalmente, fadiga pandémica. As pessoas estarão cansadas depois da corrida às vacinas durante a pandemia.

O que dizem as farmácias?

Rejeitam essa crítica e dizem, até, que o balanço da vacinação, até ao momento, é positivo.

A Associação Nacional de Farmácias lembra que só tiveram acesso às vacinas três semanas mais tarde.

Se a taxa de vacinação fosse maior, seria menor a pressão sobre os hospitais?

Eventualmente. Até porque, segundo os especialistas, a estirpe que está na composição da vacina é muito coincidente com a estirpe que circula na comunidade. E estar vacinado garante, pelo menos, uma menor probabilidade de doença grave.

Importa dizer que a mortalidade em Portugal está acima do esperado: são já mais de 1.700 em excesso, no espaço de 16 dias.

A primeira semana do ano, de 1 a 7 de janeiro, foi aquela em que ocorreram mais óbitos em quase 3 anos.

No meio de tudo isto, como está a afluência às urgências?

A pressão parece ter diminuído pelo menos um pouco, na maioria dos hospitais. Um dado avançado pelo ministro da Saúde que afirmou que desde o fim de semana as coisas têm estado mais calmas. Os tempos de espera já estarão com a niveis mais próximos dos habituais, embora continuem os relatos de situações muito complicadas.

Mas quem ainda não foi vacinado, ainda pode ser?

Basta dirigir-se a uma farmácia ou a um centro de saúde. Os especialistas dizem que ao fim de quatro, cinco dias já estará garantida a proteção devido à vacina.

Perdeu a carteira? Governo anuncia novos serviços digitais
Alunos sem professores é uma situação recorrente. Porquê?
Cartão social. O que é e que famílias vão ter direito a ele?
Ataque contra Donald Trump. Que influência pode ter na campanha?
Por que é que os resultados dos rankings são todos diferentes?
O que se sabe sobre a nova estirpe da “varíola dos macacos”?
Portugal tem a população mais envelhecida da UE?
Portugal registou uma quebra de nascimentos no primeiro semestre do ano. Quais são os dados?
Quantos milionários há em Portugal?
O que prevê o novo acordo do Governo com os polícias?
Qual é o objetivo da cimeira da NATO?
Quem é que a PGR acusou de orquestrar uma campanha contra o Ministério Público?
Turismo. Quem escolhe Portugal para passar férias e quanto gastam os portugueses quando viajam?
Nova Frente Popular. O que é a união das esquerdas que venceu em França?
Ronaldo pode ser castigado por "marketing de emboscada". A culpa é do ritmo cardíaco
Eleições no Reino Unido. Os trabalhistas podem ganhar estas eleições?
O que é que Lucília Gago vai esclarecer no Parlamento?
Bolsas para alunos do ensino superior. Conheça as novidades
Por que é que continua a haver muitos votos desperdiçados?
200 mil utentes retirados da lista dos centros de saúde. O que se passa?
O Governo quer responsabilizar as administrações hospitalares pelas listas de espera de cirurgias. Como assim?
Os portugueses queixam-se de quê no livro de reclamações eletrónico?
Eleições em França. Como funciona a segunda volta?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.