Siga-nos no Whatsapp
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Investidura do líder do Partido Popular espanhol chumbada no Congresso. O que se segue?

Explicador Renascença

Investidura do líder do Partido Popular espanhol chumbada no Congresso. O que se segue?

27 set, 2023 • Miguel Coelho


Na próxima sexta-feira, deverá haver uma segunda votação, onde já não será necessária a maioria absoluta dos votos dos deputados, bastando uma maioria simples.

O líder conservador espanhol, Alberto Nuñez Feijóo terá de obter mais votos a favor do que contra, na sexta-feira, para poder tomar posse como chefe de Governo, o que se afigura totalmente improvável, tendo em conta o resultado da votação desta quarta-feira.

O presidente do PP teve 172 votos a favor e 178 contra. E tudo indica que este resultado irá repetir-se depois de amanhã.

Ou seja, a investidura de Feijóo como primeiro-ministro será de novo rejeitada, com os votos dos socialistas espanhóis, do resto da esquerda e dos partidos separatistas.

E se assim for, termina aí esta tentativa de Feijóo para chegar à liderança do Governo espanhol?

Sim, apesar de ter vencido as eleições há dois meses, não conseguiu maioria, um pouco à semelhança do que aconteceu em Portugal com Passos Coelho em 2015.

E, portanto, irá depois ser o líder do segundo partido maior votado - o atual primeiro-ministro Pedro Sanchez, do PSOE - a ser convidado pelo rei para tentar manter-se no Poder.

E Sanchez tem apoios suficientes para conseguir uma maioria no parlamento?

Terá, se aceitar as exigências dos separatistas catalães, incluindo o partido Juntos pela Catalunha.

Para votar a favor de Sanchez, eles exigem uma amnistia e o fim de todos os processos contra os envolvidos na tentativa de independência de 2017, incluindo o então presidente do Governo regional da Catalunha, Carles Puigdemont.

E mais ainda: exigem um referendo sobre a independência da região.

Se vier a aceitar estas condições, Pedro Sanchez corre o risco de ficar na História como o primeiro-ministro que abriu a porta à desagrageção da Espanha, o que está a gerar um debate muito intenso não só no plano político, mas na própria sociedade espanhola.

E o rei de Espanha face a essa possibilidade pode decidir não convidar Pedro Sanchez?

Na prática não pode, primeiro porque do ponto de vista político o rei de Espanha é pouco mais do que uma figura decorativa. Tem de cumprir a Constituição.

Além de que as eventuais cedências que Sanchez possa fazer aos separatistas catalães serão posteriores ao convite do rei para tentar a investidura, pelo que mesmo que quisesse, Filipe VI não teria forma de não indicar Sanchez.

Mas há também a possibilidade de Sanchez também não conseguir a maioria?

Sim, se não aceitar as condições dos separatistas não terá apoio suficiente. E aí os espanhóis serão chamados a novas eleições.

A partir de agora, haverá dois meses para que um dos candidatos consiga a investidura como primeiro-ministro.

Se isso não acontecer, é convocada nova ida às urnas, que poderá ter lugar em Janeiro, uma sucessão de eleições que já não seria inédita, entre 2015 e 2019, houve quatro eleições gerais em Espanha.

Reciclar e ganhar. Quanto pode valer a sua garrafa?
EUA. Joe Biden desistir das Presidenciais está a tornar-se um cenário provável?
Provas de aferição passam a Provas de Monitorização da Aprendizagem. O que muda?
Por que é que os Jogos Olímpicos podem levar a mais casos de dengue na Europa?
Caso das vacinas pode ameaçar reeleição de Von der Leyen?
Há cada vez mais portugueses sem médico de família atribuído. O que dizem os dados?
Perdeu a carteira? Governo anuncia novos serviços digitais
Alunos sem professores é uma situação recorrente. Porquê?
Cartão social. O que é e que famílias vão ter direito a ele?
Ataque contra Donald Trump. Que influência pode ter na campanha?
Por que é que os resultados dos rankings são todos diferentes?
O que se sabe sobre a nova estirpe da “varíola dos macacos”?
Portugal tem a população mais envelhecida da UE?
Portugal registou uma quebra de nascimentos no primeiro semestre do ano. Quais são os dados?
Quantos milionários há em Portugal?
O que prevê o novo acordo do Governo com os polícias?
Qual é o objetivo da cimeira da NATO?
Quem é que a PGR acusou de orquestrar uma campanha contra o Ministério Público?
Turismo. Quem escolhe Portugal para passar férias e quanto gastam os portugueses quando viajam?
Nova Frente Popular. O que é a união das esquerdas que venceu em França?
Ronaldo pode ser castigado por "marketing de emboscada". A culpa é do ritmo cardíaco
Eleições no Reino Unido. Os trabalhistas podem ganhar estas eleições?
O que é que Lucília Gago vai esclarecer no Parlamento?
Bolsas para alunos do ensino superior. Conheça as novidades
Por que é que continua a haver muitos votos desperdiçados?
200 mil utentes retirados da lista dos centros de saúde. O que se passa?
O Governo quer responsabilizar as administrações hospitalares pelas listas de espera de cirurgias. Como assim?
Os portugueses queixam-se de quê no livro de reclamações eletrónico?
Eleições em França. Como funciona a segunda volta?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.