Tempo
|
Euranet
Euranet
“Compromisso Verde” é um podcast quinzenal sobre crescimento sustentável e transição energética. Da pandemia dos plásticos aos pecados da chamada moda rápida, cada episódio um tema. Uma nova edição disponível às quartas-feiras às 18h00. Esta é uma parceria Renascença Euranet Plus.
A+ / A-
Arquivo

Vinte e sete aprovam regras para reservas de gás na UE

29 jun, 2022


Os 27 dão assim um passo decisivo para reforçar o fornecimento de gás, face às perturbações do mercado e à possibilidade de a Rússia cortar o gás a vários Estados-membros.

Estados-membros aprovaram regulamento que visa garantir o armazenamento de gás na União Europeia (UE) em cerca de 80%, antes do inverno.

Os ministros responsáveis pela Energia aprovaram esta semana, no Luxemburgo, as regras que visam garantir capacidades de armazenamento de gás na UE - segundo as quais cada Estado-membro deve ter uma reserva suficiente antes do inverno -, e que possam ser partilhadas entre os 27 em caso de necessidade.

As novas regras estipulam que as instalações de armazenamento subterrâneo de gás de cada país deverão dispor, pelo menos, de 80% da sua capacidade antes do próximo inverno e de 90% antes dos períodos de inverno seguintes.

Como as capacidades de armazenamento de gás e as situações nacionais variam bastante, os 27 podem cumprir parcialmente os objetivos de armazenamento, em função de cada situação, incluindo as reservas de gás natural liquefeito ou de combustíveis alternativos.

Por outro lado, há países que não dispõem de instalações de armazenamento. Nesses casos, está previsto que armazenem 15% do seu consumo nacional anual de gás nas reservas situadas no território de outros Estados-membros, tendo depois acesso a essas reservas.

Os 27 dão assim um passo decisivo para reforçar o fornecimento de gás, face às perturbações do mercado e à possibilidade de a Rússia cortar o gás a vários Estados-membros.

"Congratulo-me com este regulamento muito operacional, que, no contexto internacional que conhecemos, permite reforçar a resiliência energética europeia e a solidariedade concreta entre os Estados-membros", disse, em nome da presidência francesa do Conselho, Agnès Pannier-Runacher, ministra da Transição Energética.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    29 jun, 2022 Lisboa 21:16
    Têm é de preparar a toda a velocidade a construção do tal gasoduto que saindo da Península Ibérica, chegue perto do Norte da Europa sem passar pela "cortes" França e adaptar Sines e outros portos de águas profundas para receber grandes quantidades de gás liquefeito dos EUA. E só se está a ver palavreado e nenhuma ação.