Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Espaço do Consumidor
Um espaço para responder a todas as dúvidas dos consumidores (terças e quintas, depois das 11h15)
A+ / A-
Arquivo

Sobreendividamento. Desconfie das soluções milagrosas

27 out, 2016 • Fátima Casanova


Se anda às voltas com as suas prestações e precisa de ajuda para renegociar ou consolidar os créditos, saiba que há muitas empresas que o podem ajudar, mas é preciso ter cuidado.

Veja também:


São ainda muitas as famílias que, todos os meses, enfrentam dificuldades financeiras na sequência da quantidade de dívidas que contraíram. Numa tentativa de tentar aliviar o sufoco, contactam empresas que prometem ajudar, mas que acabam por agravar a situação.

Estas empresas podem pedir milhares de euros em troca de uma solução rápida do problema – o que nem sempre se confirma e, de repente, as famílias ficam com mais um encargo.

Quando é que as promessas não podem ser levadas a sério?

- Se uma pessoa tem informação negativa no Banco de Portugal, já não pode consolidar créditos e há anúncios de empresas que mesmo assim prometem resolver o problema.

- Se uma pessoa tem uma penhora, quer dizer que o assunto já está no tribunal e como tal já não pode renegociar os empréstimos.

Caso real: “Pediram-me mais de 4.200 euros”

A Susana, moradora no Algarve, tinha três créditos: um à habitação e outros dois pequenos créditos. Estava tudo bem até a sua vida profissional se alterar e ter ficado sem capacidade para pagar as prestações.

Pediu ajuda em Setembro de 2014 a uma empresa, que lhe exigiu 2.060 euros para iniciar o processo.

Como não tinha o dinheiro, a empresa propôs-lhe que pagasse 150 euros por mês, mas só olhariam para o caso quando tivessem recebido, pelo menos, 400 euros.

Um ano depois de ter pedido ajuda, a Susana conseguiu terminar o pagamento, mas foi surpreendida com nova conta de 400 euros de IVA, que a Susana não pagou porque ainda tinha a sua situação por resolver.

Houve ainda um administrador do processo que lhe pediu mais 1.750 euros, que a Susana também não pagou.

Entretanto, perdeu a casa e passou a pagar pelos dois pequenos créditos 160 euros, quando antes pagava apenas 20 – isto, porque deixaram de estar associados ao crédito hipotecário.

Falta legislação para regular o sector

A actividade destas empresas não está regulada, o que torna difícil – para não dizer quase impossível – fiscalizar a sua acção.

A associação para a defesa do consumidor Deco fez uma participação ao Banco de Portugal e outra à Direcção-Geral do Consumidor. Ambas reconhecem a má prática de algumas empresas e alertam para a necessidade de legislação específica.

A Deco está agora a ponderar avançar com uma queixa junto do Ministério Público por causa das situações irregulares que já detectou.

O “Espaço do consumidor” é emitido na Renascença às terças e quintas-feiras, depois das 14h30.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Calendula
    27 out, 2016 Alentejo 21:18
    Pergunte ao governo, ele tem uma solução milagrosa para fazer desaparecer a dívida!
  • fr
    27 out, 2016 Coimbra 20:59
    É como o ZÉ diz, é só juntar os créditos e pedir ao estado para pagar. Os bancos são espertos, nós é que somos burros.
  • Zé Povinho
    27 out, 2016 Lisboa 19:02
    "Para ir ao banco buscar dinheiro, é preciso primeiro lá metê-lo"!
  • 27 out, 2016 Alverca 17:57
    Está endividado ? não se preocupe, pergunte como se faz aos empresários dos créditos mal parados ! sim aqueles que levaram os bancos a falência e por consequência o País !!!