Tempo
|
Da Capa à Contracapa
Os grandes temas da atualidade em debate à Terça-feira, depois das 23h, na Edição da Noite. Uma parceria da Renascença com a Fundação Francisco Manuel dos Santos.
A+ / A-
Arquivo
De que é feita a relação entre a Galiza e Portugal?

Da Capa à Contracapa

De que é feita a relação entre a Galiza e Portugal?

27 jul, 2022


O livro "Galiza, Terra Irmã de Portugal" dá o mote para o programa desta semana, com o autor Ramón Villares, o produtor televisivo Manolo Bello e a professora de História Maria Luisa Paz.

Quem vive ou viveu perto da fronteira sabe que há uma relação especial entre portugueses e galegos, tão próxima que nos torna povos quase irmãos.

Uma proximidade cuja origem se encontra após percorrermos vários séculos da nossa história comum.

Sabia que o espaço da antiga Galécia romana, com capital em Braga, foi uma unidade até ao século XII? E que esteve na origem do reino e da língua de Portugal?

Desde então, entre a Galiza e Portugal, mantiveram-se a continuidade das paisagens, a proximidade linguística, a intermitência dos diálogos culturais e a importância das relações transfronteiriças.

Tudo isto nos faz tão próximos, portugueses e galegos, que a Fundação Francisco Manuel dos Santos acaba de lançar um novo ensaio sobre a relação entre Portugal e a Galiza.

O livro, chamado "Galiza, Terra Irmã de Portugal", é assinado pelo historiador Ramón Villares, um dos convidados deste Da Capa à Contracapa, programa em que contaremos também com a presença do produtor televisivo Manolo Bello e da professora de História Maria Luisa Paz, ambos imigrantes galegos a viver em Portugal há vários anos.

O Da Capa à Contracapa é uma parceria da Renascença com a Fundação Francisco Manuel dos Santos para ouvir às terça-feira, depois das 23h00, na Renascença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Javier M. Ferradás
    08 ago, 2022 Pontevedra 14:59
    Muy interesante. Totalmente de acordo con todo.