Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00.
A+ / A-
Arquivo
O estado do verão
Ouça o Conversas Cruzadas deste domingo

Conversas Cruzadas

O estado do verão

17 jul, 2022 • José Bastos


Nuno Botelho, Nuno Garoupa e Luís Aguiar-Conraria na análise dos incêndios, Novo Banco, PRR e portas-giratórias na política nacional.

As temperaturas já descem, mas a ação combinada do tempo seco e quente da última semana não permite ainda suavizar o risco de incêndios florestais – daí a situação de contingência alargada até este domingo, 17.

A área ardida este ano já supera os valores totais de 2021 e desde 2017 as áreas rurais não eram alvo de tamanha intensidade de fogo até meados do mês de Julho. 2017 foi, lembre-se, o ano dos incêndios mortais de Pedrogão a 17 de junho – 66 vítimas mortais – e da região centro a 15 de outubro – 51 mortos.

Desde então, apesar de insuficiências, alguns especialistas reconhecem ter havido uma maior aposta na prevenção com a gestão mais racional da biomassa nas florestas e punições pesadas pela ausência de limpeza dos terrenos. Na contabilidade do ‘combate vs prevenção’ dos 306 milhões de euros, 174 milhões são no combate, 46% do total quando em 2017 era 20%.

Mas, num país historicamente frágil na cultura de prevenção em áreas da proteção civil outras questões, como o cadastro das propriedades ou o regime sucessório, a silvicultura a perder valor económico, continuam por resolver.

Está o país num quadro de alguma impotência face aos efeitos da crise global do clima contra os quais não há soluções imediatas e fáceis? Como tem sido a gestão política da crise por parte do governo a apostar na responsabilização dos cidadãos e a aludir a ‘problemas estruturais’?

As análises a estas questões, à auditoria do TC ao NB, ao BF e PRR e às portas-giratórias na política são de Nuno Garoupa, professor da GMU Scalia Law, Nuno Botelho, presidente da ACP – Câmara de Comércio e Indústria e Luís Aguiar-Conraria, professor da Universidade do Minho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.