Tempo
|
Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00.
A+ / A-
Arquivo
O orçamento - Conversas Cruzadas
O orçamento - Conversas Cruzadas

CONVERSAS CRUZADAS

O orçamento

09 out, 2021 • José Bastos


Eduardo Baptista Correia, Carvalho da Silva e Nuno Botelho na análise do OE2022 e ao poder global de Mark Zuckerberg.

De que forma pode o Orçamento do Estado, o documento anual do governo de articulação dos vários interesses do tecido social, pode influenciar as decisões de empresas e famílias de que depende o crescimento da economia em 2022? Que componente política deve ter um documento que não pode ser apenas um exercício burocrático de gasto de verbas e de captação dos impostos necessários para financiar a despesa?

O debate andará à volta destas questões e também irá procurar analisar se, depois da adesão ao euro, tem sido negligenciada em Portugal a dinâmica que deve unir o desenho orçamental e as políticas estruturais, uma das chaves do crescimento num país fortemente endividado.

Em Portugal tem havido um excesso de política orçamental que corrige a ausência de decisões estruturais de fundo favorecendo a procura interna e descurando as exportações? Terão de ser as políticas estruturais o motor do crescimento e da convergência e não a política orçamental? Ou a saída da pandemia tudo deve condicionar?

A análise é de Nuno Botelho, líder da ACP – Câmara de Comércio e Indústria, Eduardo Baptista Correia, gestor, e Manuel Carvalho da Silva, sociólogo, professor da Universidade de Coimbra que, em semana de apagão nas redes sociais, também vão olhar para o crescente poder do homem que controla os algoritmos mais influentes do planeta, Mark Zuckerberg.

A espera
21 nov, 2021

A espera

A travagem
14 nov, 2021

A travagem

O risco da tempestade perfeita
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.