Tempo
|
Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00.
A+ / A-
Arquivo
A semana "horribilis" do governo - Conversas Cruzadas
A semana "horribilis" do governo - Conversas Cruzadas

CONVERSAS CRUZADAS

A semana "horribilis" do governo

03 out, 2021


Nuno Botelho, Nuno Garoupa e Luís Aguiar-Conraria na análise da atualidade.

Esta semana, o primeiro-ministro recorreu ao humor quando os jornalistas o questionaram sobre uma eventual remodelação, sugerindo que no inverno, “quando o tempo arrefece, todos nos refrescamos” e que o foco imediato da sua ação é entregar na AR a proposta de Orçamento do Estado a 11 de outubro.

Com o inverno ainda distante no calendário, a avançada técnica em ‘discurso político evasivo' de António Costa não ilude uma das semanas mais complexas de sempre para o governo socialista.

Em escassos dias o PS perdeu Lisboa nas eleições autárquicas com um resultado abaixo do esperado no resto do país, viu em véspera de Orçamento o caso invulgar de um ministro, Pedro Nuno Santos, criticar em público um influente colega de governo, o titular das finanças, João Leão. Não menos importante, a semana ainda teve o Presidente da República a desautorizar o ministro da Defesa e a segurar um chefe militar contra a vontade de João Gomes Cravinho.

Na justiça a titular da pasta foi questionada sobre mais um caso a causar profundo embaraço e ‘desconforto’, na versão da ministra, envolvendo João Rendeiro, o ex-presidente do falido banco BPP numa fuga, quase anunciada, depois de condenado em três processos-crime a penas de prisão.

As análises a estes casos e à influência das autárquicas no ciclo político são de Nuno Garoupa, professor da GMU Scalia Law, Nuno Botelho, presidente da ACP – Câmara de Comércio e Indústria e Luís Aguiar-Conraria, professor da Universidade do Minho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.