Tempo
|
Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00.
A+ / A-
Arquivo
União Europeia 2050 - Conversas Cruzadas
União Europeia 2050 - Conversas Cruzadas

CONVERSAS CRUZADAS

União Europeia 2050

19 set, 2021 • José Bastos


Carvalho da Silva, Nuno Botelho e João Loureiro e o papel global da UE, a campanha das autárquicas e a retoma económica.

O discurso sobre o estado da União, não foi apenas uma oportunidade para fazer um balanço da gestão europeia da pandemia e da crise económica, mas também uma ocasião para desenhar os desafios futuros da Europa.

A pandemia e a disrupção causada no comércio e nas cadeias de valor acentuaram as vulnerabilidades europeias que, na visão de Ursula von der Leyen, devem ser superadas para tornar a UE um ‘player’ mais autónomo no cenário mundial. Uma prioridade também à luz da dinâmica a 30 anos.

Que UE queremos em 2050? As tendências do futuro são o ponto de partida para a autonomia estratégica da União Europeia, de acordo com o, pouco divulgado, Relatório de Estratégia Prospetiva 2021, publicado a 8 de setembro. O documento traça a estratégia para a construção de uma Europa mais assertiva e capaz de competir com China e Estados Unidos apresentando as diretrizes que vão marcar o cenário global nas próximas duas décadas.

Desde logo, as alterações climáticas, com o aumento das temperaturas globais a ter impacto nas atividades humanas desde a segurança alimentar às pressões migratórias. Mas também a transição digital global é um desafio, porque a UE perde espaço para EUA, China, Japão e Coreia do Sul em pesquisa e inovação. O mesmo se aplica nas tecnologias quânticas.

De complexidade extrema são as futuras dinâmicas demográficas que ajudam a mudar o centro de gravidade económico (e geopolítico) global: se em 2020 a UE representava 5,7% da população mundial, em 2050 será de apenas 4,3% face a 16,8% da Índia e 14,4% da China.

O declive demográfico levará ao declínio económico: em 2050 a UE responderá por 11,3% do PIB global, uma queda enorme dos 18,3% de 2019. Em 2050, juntos EUA e UE caem de 53% para 26% do PIB global, de mais de metade para 1/4. Por último, na erosão progressiva da democracia global a UE identifica mais um fator de instabilidade política e económica.

A análise é de Nuno Botelho, empresário, presidente da ACP - Câmara de Comércio e Indústria, Manuel Carvalho da Silva, sociólogo, professor da Universidade de Coimbra e João Loureiro, economista, professor da Universidade do Porto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.