Tempo
|
Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00, com reposição à segunda às 00h00.
A+ / A-
Arquivo
Lisboa e Berlim - Conversas Cruzadas
Lisboa e Berlim - Conversas Cruzadas

CONVERSAS CRUZADAS

Lisboa e Berlim

12 set, 2021 • José Bastos


Nuno Garoupa, Nuno Botelho e José Alberto Lemos e as eleições de 26 de setembro como indicador avançado do próximo ciclo político.

Autárquicas ou legislativas alemãs? Em duas semanas, a 26 de setembro, quais vão ser as eleições mais determinantes no futuro coletivo do país no médio, longo prazo?

Serão as eleições autárquicas pelo potencial de disrupção no desenho partidário, em particular na liderança do PSD, ou as legislativas alemãs pelo que podem arrastar de decisivo para as políticas europeias?

A questão redobra de importância agora que Angela Merkel, de saída, permitiu uma torrente contínua de fundos para o sul, quando no norte da Europa já se erguem vozes contra a época – interminável – de juros baixos.

Das autárquicas só parece emergir uma dúvida: saber se podem sinalizar um início de mudança de ciclo político. Indicar um eventual começo de recuo do PS (no poder 19 anos dos últimos 26) ou sugerir uma recuperação do centro direita rumo a um quadro em que tenha mais votos que o PS e toda a esquerda junta.

As autárquicas como indicador avançado do próximo ciclo político, o efeito da pandemia no reforço dos incumbentes com o eleitorado propenso a impedir oscilações de voto, a retoma económica pós-pandemia e os 20 anos do maior ataque terrorista da história, o 11 de setembro, são os temas em debate.

A análise é de Nuno Garoupa, professor da GMU Scalia Law, Nuno Botelho, presidente da ACP – Câmara de Comércio e Indústria e do jornalista José Alberto Lemos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.