Tempo
|
Autárquicas 2021
35,82%
139Câmaras
13,99%
68Câmaras
11,57%
28Câmaras
7,74%
18Câmaras
5,82%
18Câmaras
4,04%
0Câmaras
2,51%
0Câmaras
1,57%
5Câmaras
1,09%
0Câmaras
11,68%
9Câmaras
  • Freguesias apuradas: 3032 de 3092
  • Abstenção: 45,71%
  • Votos Nulos: 1,61%
  • Votos em Branco: 2,52%

Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00, com reposição à segunda às 00h00.
A+ / A-
Arquivo
O passado presente - Conversas Cruzadas
O passado presente - Conversas Cruzadas

CONVERSAS CRUZADAS

O passado presente

04 jul, 2021 • José Bastos


Nuno Garoupa, Nuno Botelho e João Paulo Batalha na análise da atualidade.

A audição parlamentar de maio de 2019, em que o comendador José Berardo garantia não ter dívidas, confrontou o país com uma atitude a beirar a insolência e chocou a sociedade. Esta semana o MP moveu peças no tabuleiro da justiça avançando com suspeitas de burla e fraudes sobre o comendador.

José Berardo – e a sua dívida de mil milhões à CGD e a outros bancos - é mais um dos nomes proeminentes da ‘elite’ empresarial e de gestão da primeira década do século a ser detido e investigado por alegado envolvimento em negócios suspeitos de tráficos de influências, burla qualificada ou branqueamento de capitais.

Nesta fase José Berardo é apenas suspeito de estratégias para salvar a sua coleção de arte da penhora por um calote de mil milhões de empréstimos, tendo como garantia as ações bancárias a comprar com esse dinheiro. Em 2007, Berardo terá sido instrumental numa estratégia do poder político para controlar o maior banco privado português, o BCP.

Os factos que levam à detenção de Berardo decorrem na fase de declínio do período Sócrates, mas são consequência dos empréstimos. É um retrato de época que envolve ‘gestores de topo’, personagens qualificadas da banca que transitam de administração para administração pelas portas giratórias da política portuguesa ou pode repetir-se?

Um regime que se prepara para ‘poder ir ao banco’ levantar ‘bazucas’ arrisca, dentro de uma década, voltar a enfrentar listas de ‘grandes devedores’? 15 anos depois ainda se vai a tempo de fazer justiça?

A análise é de Nuno Garoupa, professor da GMU Scalia Law, Nuno Botelho, presidente da ACP - Câmara de Comércio e Indústria e João Paulo Batalha, consultor anti-corrupção e de governança, ex-líder da TI.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.