Tempo
|
Espaço do Consumidor
Um espaço para responder a todas as dúvidas dos consumidores (terças e quintas, depois das 11h15)
A+ / A-
Arquivo

O seu cartão de débito está muito pesado?

15 nov, 2016 • Fátima Casanova


É conhecido como “cartão multibanco” e quase ninguém o dispensa no seu dia-a-dia, mas pode tornar-se mais oneroso do que um cartão de crédito.

Veja também:


O tempo em que os bancos concediam cartões de débito gratuitamente parece ter terminado. Agora, as instituições bancárias tentam compensar a perda de receitas e as comissões tornaram-se prática comum.

Custos sempre a subir

Só no último ano, o aumento das anuidades dos “cartões multibanco” chegou quase aos 30%, ou seja, uma subida 56 vezes superior ao valor da inflação.

As contas são da Deco, que fez um levantamento junto dos 17 principais bancos a operar em Portugal e comparou os preçários de 2015 e de 2016.

Em média, no ano passado, a anuidade de um cartão rondou os 15 euros, quando no ano anterior era à volta dos 10. Mas há bancos que já estão a cobrar 26 euros.

O que pode fazer o cliente?

Por incrível que pareça, há casos em que pode ficar mais barato utilizar um cartão de crédito. Há bancos que disponibilizam este cartão gratuitamente ou com uma anuidade inferior à do cartão de débito. Desde que a despesa seja paga a 100%, evitam-se os juros – esses sim, penalizadores.

Conhece o cartão de crédito dual?

Não estão muito generalizados, mas se tiverem uma anuidade inferior à do cartão de débito, podem ser uma boa alternativa. Têm a função de débito, desde que no momento de pagar opte pela rede Multibanco.

Ainda tem dúvidas quando escolhe a rede de pagamento?

É apenas uma questão de marcas. Multibanco é uma marca nacional, uma rede de pagamento, que presta um serviço.

Se o seu cartão é só de débito, é indiferente se escolhe Multibanco, Visa ou Mastercard (a rede a que está associado o seu banco). Sendo um cartão de débito, o montante é debitado automaticamente da sua conta à ordem.

A escolha por outra rede pode estar relacionada com os eventuais benefícios aos portadores dos cartões, como por exemplo seguros associados, descontos em hotéis ou restaurantes.

O “Espaço do consumidor” é emitido na Renascença às terças e quintas-feiras, depois das 14h30.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Zé da Quinta
    15 nov, 2016 Algures em Portugal 20:30
    Sr. Zé e Luís Campos, Só paga cartões novos, pelos anteriores se encontrarem danificados, quem quer. Reclamem com os bancos.
  • João
    15 nov, 2016 Lisboa 20:16
    É uma vergonha! O montepio geral também todos os meses aumenta ou cria novas taxas! Ninguém mete mão nisso?
  • Paulo
    15 nov, 2016 vila 19:54
    Num país falido,onde os banqueiros fizeram negociatas de milhares de milhões e que perderam tudo,onde os gestores da banca ganham mais de 1 milhão de euros por ano,onde os governantes não alteram a lei e pagam o mesmo aos gestores do banco publico,onde o banco de Portugal nada faz em relação a situações como esta (pagamentos abusivos dos cartões),o que se espera? Os Zés deste pobre país têm de pagar por todo este descalabro.Até quando?.......até um dia.....
  • vc
    15 nov, 2016 vc 18:50
    Saquem as notas e levem-nas para casa e verão como os bancos retiram as comissões.
  • André
    15 nov, 2016 Lisboa 18:09
    Atenção é às coisas agregadas a esses cartões de crédito. Tive um do BPI que ao cabo de 12 meses, sacaram 180 euros pela simples razão que não paguei mais 1200 euros com ele. Ao passar 1 ano, o banco, simpaticamente, sacou-se 15 euros por mês por quebra de contrato. Para o devolver ainda paguei mais 49 euros e qualquer coisa. Quando optarem por outro tipo de cartões, notem muito bem quais são as razões para a isenção (todos os bancos tem um limite mensal, semestral ou anual para os valores de pagamento) e o que é que afecta o próprio cartão para não terem surpresas como tive.
  • Ilidio Ramos
    15 nov, 2016 Vila Nova de Gaia 17:46
    esto dos bancos é uma grande vigarice , eles vão as contas sem avisar e retiram o que querem neste momento temos que estar apagar para la ter o dinheiro antes do 25 de Abril os Bancos pagavam para agente la por dinheiro é só gatunos
  • Luis Campos
    15 nov, 2016 Lisboa 17:32
    Sr. Zé , era bom que isso fosse um problema da CGD .... Neste ultimo ano tive o mesmo problema com um BPI ( banda danificada ) e um Santander ( a banda perdeu a informação - desmagnetizado ou coisa parecida ) ....... e a receita foi a mesma ..... toca a pagar novos cartões .
  • ze
    15 nov, 2016 lisboa 17:13
    O meu cartão da CGD partiu-se a banda magnética... deve ter sido feito na China! E já me vieram ao bolso, 22€... há pois alguém tem que pagar esses salários chorudos!