Renascença Ouve +
A+ / A-
Ano Europeu do Desenvolvimento

Outubro é o mês da Segurança Alimentar


A Renascença associa-se ao Ano Europeu do Desenvolvimento e em cada mês destaca um tema para o qual todos devemos estar despertos. Em Outubro o destaque vai para a Segurança Alimentar.

Uma das principais prioridades do desenvolvimento é dar de comer a uma população mundial em constante crescimento. Sabia que a subnutrição é a causa de morte de mais de 3 milhões de crianças por ano? Diariamente, uma em cada 8 pessoas no mundo passa fome. A subnutrição causa danos irreversíveis na saúde física e mental de milhões de seres humanos.
As informações que partilhamos consigo fazem com que 2015 - Ano Europeu para o Desenvolvimento – seja um ano para despertar consciências e tornar o mundo um lugar mais justo.

Conheça duas histórias de sucesso:


- O caso de Mariama Dahaba, agricultora de 35 anos em Sucotô, mostra como um projecto de cooperação Português na Guiné, o Projecto de Apoio à Intensificação da Produção Alimentar - Desenvolvimento Comunitário, mudou a sua vida.
Mãe de 7 filhos, esta mulher tem agora dois canteiros e uma parte do rendimento que obtém na horta utiliza-o no «pagamento da escola e nas roupas dos filhos». Tem mais tempo e rendimento para educar as suas crianças.

- Em Cabo Verde, a maioria das bananeiras foi vítima da seca, da poluição e de doenças na década de 90. Procurando inverter a situação, a União Europeia financiou o desenvolvimento de sistemas de rega na ilha de Santiago para promover a recuperação do sector.
Depois de criadas as infra-estruturas, coube aos agricultores do projecto pôr mãos à obra. A vantagem da banana, segundo um agricultor de Santa Cruz, é poder ser colhida ao longo do ano, uma vez que este fruto pode ser colhido de quatro em quatro meses. Graças às bananas, diz este agricultor, agora ninguém tem fome!

Quando as pessoas são incapazes de criar riqueza, o potencial de crescimento dos seus países retrocede. A fome e a subnutrição são inimigos do desenvolvimento humano e foco de conflitos. Para os países que fazem grandes esforços de desenvolvimento, este é um golpe particularmente duro de suportar… mas que pode ser invertido!




O Ano Europeu do Desenvolvimento (AED) é uma iniciativa que vai decorrer durante o ano de 2015 em todos os países da União Europeia, com o mote “O nosso mundo, a nossa dignidade, o nosso futuro”. O Ano Europeu para o Desenvolvimento foi proclamado em 2015 e tem na sua origem os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio. Estes objetivos foram definidos em 2000, na Cimeira do Milénio, onde estavam reunidos os dirigentes mundiais que se comprometeram a atingir um conjunto de objetivos referentes a questões como a pobreza, o ambiente e o desenvolvimento.

Em 2015, tornou-se necessária uma nova Agenda de Desenvolvimento Global e neste sentido surgiu o Ano Europeu para o Desenvolvimento. O objetivo passa por informar, sensibilizar e promover o interesse, a participação ativa e o pensamento crítico dos cidadãos europeus relativamente ao desenvolvimento global.

Ano Europeu do Desenvolvimento em Portugal:
A entidade coordenadora do Ano Europeu do Desenvolvimento para Portugal é o Camões – Instituto de Cooperação e da Língua e a embaixadora desta iniciativa a actriz Cláudia Semedo.

A Renascença vai dar-lhe conta das várias iniciativas do Ano Europeu do Desenvolvimento ao longo dos próximos meses. No mês de Julho estiveram em destaque as crianças e os jovens, em Junho o Crescimento verde e sustentável, emprego digno e empresas e em Maio o destaque foi para a paz e a segurança.

Saiba mais sobre o Ano Europeu para o Desenvolvimento AQUI!

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.