Nota de Abertura
A+ / A-
Nota de Abertura

Início da Quaresma

18 fev, 2015 • Opinião de Nota de Abertura


Com a mensagem papal para a Quaresma como pano de fundo, a Comissão Nacional Justiça e Paz propõe, por seu turno, como contraponto da globalização da indiferença, a ética do cuidado: cuidado com tudo e com todos.

No início da Quaresma a mensagem do Papa Francisco veio, uma vez mais, alertar contra a globalização da indiferença. Quer o Papa que os problemas, as tribulações e as injustiças não passem sem o nosso olhar atento – pois que é dever dos cristãos revelar que o amor não se cala.

Convidando cada homem de boa vontade a efectivos gestos de caridade, Francisco exprime um desejo com destinatários concretos: que os lugares onde a Igreja se manifesta, particularmente as paróquias e comunidades, se tornem ilhas de misericórdia.

Com a mensagem papal para a Quaresma como pano de fundo, a Comissão Nacional Justiça e Paz propõe, por seu turno, como contraponto da globalização da indiferença, a ética do cuidado: cuidado com tudo e com todos. Trata-se, diz o texto, de um movimento do coração para fora; mas que simultaneamente fortalece por dentro o coração de cada um.

Motivos que revelam a urgência desta ética do cuidado não faltam: desde os desequilíbrios sociais, ao misterioso mundo dos mecanismos do mercado; desde a insegurança e o desprezo das minorias, aos que vivem no limiar da pobreza das diversas periferias; desde o desemprego, o subemprego ou o trabalho escravo, aos que são privados da saúde e do direito ao lazer.

A cada um cabe lavar o respectivo olhar, para ver e intervir – rompendo com o sossego da sua própria fartura ou com a tranquilidade de quem está habituado e já não sente as dores alheias.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.