Tempo
|

Renascença Ouve +
Porta Aberta
A+ / A-

Teólogo

Porta Aberta para Juan Ambrosio

26/06/2022 • António Freire


É professor de Teologia, na Universidade Católica, casado e pai de 2 filhos. Nasceu em Espanha, mas veio com 5 anos para Portugal. Ganhou o gosto pela Teologia muito jovem e chegou a pensar ser padre, mas cedo percebeu que não seria esse o caminho. Desde há alguns anos, integra a Rede “Cuidar da Casa Comum”, inspirada pela Encíclica Laudato Si, do Papa Francisco.

Juan Ambrosio, Teológo

Juan Ambrosio nasceu em Espanha, em Cáceres, mas veio com 5 anos de idade, para Portugal. Foi na paróquia dos Anjos, em Lisboa, ligado aos grupos de jovens, que cresceu para a Fé e ganhou o gosto pela Teologia.

Na sua juventude esteve também ligado aos escuteiros, onde viria, de resto, a conhecer a mulher com quem viria a casar. Curiosamente, ainda hoje é dirigente do CNE - Corpo Nacional de Escutas, onde se manteve sempre muito ligado à formação.

Em determinada altura, chegou a pensar ser padre, e foi para o Seminário. Mas cedo percebeu de que não seria esse o caminho. No entanto, isso não o impediu de seguir os estudos de Teologia.

Nesta conversa com o António Freire, Juan Ambrosio fala do Ano da Família “Amoris Laetitia”, que agora terminou após o Encontro Mundial das famílias, em Roma e este ano, por proposta do Papa, localmente também em todas as dioceses.

Juan Ambrosio integra a Comissão Executiva da Rede “Cuidar da Casa Comum”, criada a partir da Encíclica “Laudato Si”, do Papa Francisco. Um documento que foi publicado há 5 anos e que motivou o lançamento pelo Papa de um ano especial para promover o cuidado da Casa Comum, através de uma Ecologia Integral.

Oiça esta edição do Porta Aberta nesta página e aproveite ainda para subscrever o podcast deste e de outros programas da Renascença AQUI.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.