Tempo
|

Renascença Ouve +
A+ / A-

Casablanca

Carlos Bastos


São 12 meses, 52 semanas, 365 dias (mais um de bónus a cada 4 anos), com milhões de factos estapafúrdios sem efeitos secundários para o seu cérebro. Bem, em princípio. Clique. Coragem, vá lá, clique. Afinal é só Um Dia na História. Não pode fazer mal, pois não?

Casablanca
Casablanca

Ninguém esperava na altura que, Casablanca, se tornasse um dos maiores filmes de sempre.

Era só mais um filme de guerra da Warner Bros, que quando começou a ser produzido o guião, ainda não estava terminado.

Os guionistas rabiscavam diálogos à pressa e entregavam pedaços de papel aos assistentes que os levavam aos atores, segundos antes das câmaras começarem a rodar.

O que não deixa de ser incrível para um filme que ficou famoso pelos seus diálogos geniais e algumas das frases memoráveis nem sequer estavam escritas, foram improvisadas.

Hoje, vamos a Casablanca, no "Um Dia na História".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.