Tempo
|

Renascença Ouve +
A+ / A-

Sábado, 16 de janeiro de 2021

Isabel Figueiredo


Boa Noite - 16/01/2021
Boa Noite - 16/01/2021

O mistério do céu tem um nome, é Amor. Só pode ser Amor.

Um tempo onde todos somos únicos, encontrados,
felizes, retemperados pelo Amor.

À medida que os anos passam vamos somando vidas no céu,
partidas, viagens, instantes.
Surpresas, dores, padecimentos, longos e breves.

E vamos enchendo o céu dos nossos.
Avós, pais, tios, amigos, pais e filhos de amigos.
Próximos, tornados próximos, pela partilha da dor ou da compaixão.

E consolamo-nos nesta incerteza do que encontraram,
do face a face Contigo, da possibilidade sonhada de reencontros e abraços.

À medida que os anos passam, os mistérios ganham a transparência da
água pura dos riachos, ganham o reflexo do cristalino, a suavidade rosada
do entardecer em dias de sol intenso.

À medida que os anos passam, conseguimos intuir, pressentir, quase
tactear o céu que tanto nos inquieta, nos apazigua, nos desola e consola.

O mistério do céu tem um nome, é Amor. Só pode ser Amor.
Um tempo onde todos somos únicos, encontrados, felizes,
retemperados pelo Amor.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.