|

Renascença Ouve +
A+ / A-

Apoio Renascença

​Violência Doméstica. Há ditados que têm de deixar de ser populares

Marina Duarte


Porque há ditados que já se tornaram impopulares, 800 202 148 é o número que pode ligar para denunciar atos de violência doméstica.

Há ditados que já se tornaram impopulares
Há ditados que já se tornaram impopulares

“Quanto mais me bates mais eu gosto de ti”, “Entre marido e mulher não se mete a colher”, “Não se mete o nariz onde não se é chamado”, estes são alguns ditados que a campanha #DitadosImpopulares pretende desconstruir.

Ditados como estes podem passar a ideia que a violência é um assunto apenas do foro privado. A violência doméstica é crime e deve ser denunciada. 800 202 148 é o número do Serviço de Informação às Vítimas de Violência Doméstica que pode ligar para fazer uma denúncia, mas também para ficar a conhecer todos os serviços da Rede Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica (RNAVVD).

Esta rede é composta por 166 estruturas de atendimento, 26 locais de acolhimento de emergência e 40 casas de abrigo distribuídas pelo território nacional, envolve 218 municípios e, desde 2016, registou 32 733 atendimentos.

Dia 25 de novembro é o Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres. Mas este é um assunto de todos os dias. Para além das vítimas, qualquer pessoa pode e deve denunciar estes casos.

Ao contrário do que diz o ditado, é preciso começar a meter o nariz nestes assuntos e a colher entre vítimas de violência e os seus agressores. A violência contra as mulheres e a violência doméstica é crime público e uma responsabilidade coletiva. Ligue 800 202 148.

Esta é uma campanha do XXII Governo Constitucional em parceria com as ONG do setor e Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género e tem o apoio da Renascença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.