Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00, com reposição à segunda às 00h00.
A+ / A-
Arquivo
Conversas Cruzadas - Simpatia fiscal - 14/07/2019
Conversas Cruzadas - Simpatia fiscal - 14/07/2019

Conversas Cruzadas

A simpatia fiscal

14 jul, 2019 • José Bastos


Luís Aguiar-Conraria, Nuno Botelho e Nuno Garoupa analisam a atualidade, depois do debate do Estado da Nação e depois de conhecidas várias promessas eleitorais.

O debate sobre o estado da nação do final da legislatura teve mais promessas que balanços, ciclo eleitoral ‘oblige’. Antes ainda, o primeiro-ministro incumbente também havia deixado aqui na Renascença o compromisso de reduzir impostos.

Na hipótese de liderar o governo depois de 6 de outubro, António Costa promete atenção para os impostos sobre o trabalho, em particular da classe média.

O líder do PS responde ao choque fiscal, bandeira do PSD, com Rui Rio garantindo a devolução de 3,7 mil milhões a famílias e empresas até 2023. Também na Renascença, o líder da oposição matizou, esta semana, o que diz ser a diferença do PSD para o PS que “mantém a carga fiscal troca é de impostos”.

Já o CDS promete, se for governo, em seis anos promover uma descida média de 15% na factura de IRS e reduzir o IRC de 21% para os 12,5% “da Irlanda” para o país crescer os “4 e 5% ao ano da Irlanda”.

Se há ponto consensual na sociedade portuguesa é o da muito elevada carga fiscal a que se soma a queda acentuada da qualidade dos serviços públicos e a estagnação económica desde a entrada do novo século.

A este cenário acresce a preocupante dívida pública. O Conselho das Finanças Públicas alertou, esta semana, que o rácio da dívida em percentagem do PIB subiu no trimestre, afastando-se da meta prevista para o final deste ano.

A cada final de ciclo político e início as famílias da classe média e pequenas e médias empresas parecem ocupar um lugar no discurso dos partidos. Mas quão fugaz é essa centralidade? É apenas promessa de campanha? Como deixar de afogar famílias e empresas em obrigações fiscais promovendo o investimento e o crescimento económico?

Estas são algumas das questões para o debate com Nuno Garoupa, professor da GMU Scalia Law, universidade em Arlington, na Virginia EUA, Luís Aguiar-Conraria, professor da Universidade do Minho e Nuno Botelho, presidente da Associação Comercial do Porto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.