Jacinto Lucas Pires-Henrique Raposo
Um escritor, dramaturgo e cineasta e um “proletário do teclado” e cronista. Discordam profundamente na maior parte dos temas. À segunda e quarta, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Um Costa "igual a si próprio" e o "jogo de estar bem com todos" - 08/07/2019
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Um Costa "igual a si próprio" e o "jogo de estar bem com todos" - 08/07/2019

H. Raposo

"O cinismo de Costa conseguiu o que a coragem de Sá Carneiro e Passos nunca conseguiram"

08 jul, 2019


Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo debatem, esta segunda-feira, a entrevista exclusiva do primeiro-ministro à Renascença, quando faltam apenas três meses para o fim da legislatura.

Pouco depois de o primeiro-ministro abandonar as instalações da Renascença após ter concedido uma entrevista exclusiva a esta estação, na qual fez um bom balanço da "geringonça" e prometeu cortar os impostos sobre o trabalho caso seja reeleito, Jacinto Lucas Pires destacou "um António Costa igual a si próprio" mas lamentou que, mais uma vez, tenham faltado nas palavras do chefe do Executivo ideias para o futuro.

"O debate sobre o futuro e as ideias sobre o futuro nunca chegam, estamos sempre à espera que seja apresentada uma visão sobre qual é o país que se quer e isso nunca chega, parece que é só navegar à vista, resolver problemas pontuais e a agenda mediática. É esse o salto de alma que falta", defende.

Já Henrique Raposo começou por destacar "duas coisas positivas" deste Governo ao leme de Costa, a começar pelo feito que nem Francisco Sá Carneiro nem Pedro Passos Coelho conseguiram alcançar.

"O cinismo de António Costa conseguiu uma coisa que a coragem de Sá Carneiro e de Passos nunca conseguiram, que é neutralizar a extrema-esquerda portuguesa, trazer o PCP e o Bloco de Esquerda para o interior do jogo parlamentar".

Para Raposo, esta é "uma novidade histórica que mesmo um crítico de António Costa como eu não pode nunca esquecer", a par dos louros de Costa por ter "trazido o PS para o rigor orçamental".

Sobre a promessa do primeiro-ministro de cortar impostos na próxima legislatura, Henrique Raposo diz que "não acredita", da mesma forma que não acredita em promessas semelhantes feitas por Rui Rio (PSD) e Assunção Cristas (CDS). "Acredito cada vez menos nos partidos quando me dizem que vão conseguir cortar impostos ou vão fazer um grande plano macroeconómico, tenho uma grande desconfiança ontológica."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • zé lopes
    09 jul, 2019 guarda 06:18
    O Raposo ainda deve ter traumas de ter crescido como suburbano. Extrema-esquerda? Aonde? Sá Carneiro podia votar Bloco alegremente. Afinal o programa do bloco é social-democrata 100%.