Jacinto Lucas Pires-Henrique Raposo
Um escritor, dramaturgo e cineasta e um “proletário do teclado” e cronista. Discordam profundamente na maior parte dos temas. À segunda e quarta, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - desigualdade no acesso ao Ensino Superior e corrupção em Portugal - 26/06/2019
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - desigualdade no acesso ao Ensino Superior e corrupção em Portugal - 26/06/2019

H. Raposo

"A escola portuguesa não está a funcionar como o elevador social que deve ser"

26 jun, 2019


Henrique Raposo e Jacinto Lucas Pires comentam esta quarta-feira o estudo da Fundação Belmiro de Azevedo, que conclui que o nosso Ensino Superior continua a ser estratificado, e também os mais recentes relatórios sobre corrupção em Portugal.

Para Henrique Raposo, não é uma novidade que o acesso ao Ensino Superior dependa do estatuto social dos estudantes. "Não me surpreende nada, é uma realidade humana. Em qualquer país, o filho do pedreiro vai ter tendência para ser pedreiro e o filho do médico para ser médico."

Contudo, assume que "o que é chocante em Portugal é a percentagem com que isso existe", percentagem essa que, sublinha, "é mesmo muito forte". Face a essa problemática, uma das soluções deveria ser dar mais autonomia aos diretores dos agrupamentos escolares, defende Raposo.

Jacinto Lucas Pires concorda que é necessário dar "uma maior autonomia às escolas" e também criar "um sistema que dê maior liberdade de escolha aos pais". Para o escritor, a questão do acesso ao Ensino Superior deve ser alvo de uma "grande reforma", porque "para mudar a sociedade temos de começar pelo futuro, que são as crianças".

Sobre a recente atenção dada à corrupção em Portugal, Henrique Raposo critica o facto de a Justiça ser "penosamente lenta", o que cria "esta bola de neve que nunca pára".

Por seu lado, e apesar de considerar que o termo "epidemia de corrupção" usado por Ramalho Eanes "é excessivo", Jacinto Lucas Pires diz concordar com o antigo Presidente da República quando este refere a necessária reforma do sistema eleitoral como forma de combate à corrupção.

"A ideia de que nós não precisamos de delegados de partidos mas sim de representantes dos cidadãos é essencial e está mais ligado com esta questão da corrupção do que parece."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.