Fernando Medina-João Taborda da Gama
O presidente da Câmara de Lisboa e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver na capital olham para os principais temas da atualidade. Às terças e quintas, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Fernando Medina e João Taborda da Gama - Census 2021 sem questão sobre origem étnico-racial - 18/06/2019
Fernando Medina e João Taborda da Gama - Census 2021 sem questão sobre origem étnico-racial - 18/06/2019

Taborda da Gama

“É criminoso” retirar a pergunta sobre origem racial dos cidadãos do Census

18 jun, 2019


João Taborda da Gama e Fernando Medina debatem esta terça-feira a decisão do INE de não incluir qualquer pergunta sobre a origem étnico-racial dos cidadãos no próximo Censos, em 2021. Ambos defendem a intervenção do Governo.

Veja também:


“Se não soubermos qual a cor dos portugueses, não podemos perceber o racismo”, avisa João Taborda da Gama no espaço de debate desta terça-feira na Renascença.

Na sua opinião, a decisão do Instituto Nacional de Estatística (INE) de não incluir qualquer pergunta sobre a origem étnico-racial dos cidadãos no Censos 2021, ao contrário do que pretendia a maioria dos membros do grupo de trabalho criado pelo Governo “é, do ponto de vista racial, criminosa”.

“É preciso que o Governo e o Presidente da República atuem rapidamente para que a pergunta seja incluída no Census”, defende o comentador, justificando: “se não soubermos qual é a cor dos portugueses, não podemos, com método científico, perceber e quantificar o racismo que existe em Portugal”.

“Não saber quantos negros ou brancos ou de outras cores existem em Portugal é uma forma de perpetuar por mais décadas o racismo em Portugal”, sustenta ainda.

“Parte da população portuguesa vive num quentinho a achar que não há racismo – uma ideia em que gostamos de acreditar – mas quem sabe do assunto e quem é mais atento sabe que é óbvio que há um flagrante racismo em Portugal” e “para o poder quantificar e poder atuar é preciso saber qual é a diferenciação de raças e de cores” no país, defende João Taborda da Gama.

O comentador das terças e quintas no programa As Três da Manhã criticou ainda o presidente do INE, dizendo que “não são os presidentes dos institutos estatísticos que fazem aquilo que é uma das principais decisões de políticas públicas em Portugal”.

“Este Governo tem de se impor ao INE e não pode dar cobro a uma medida que, por mais 10 anos, adie saber-se qual é a raça dos portugueses”, insiste.

Indignado, João Taborda da Gama considera “um escândalo” o que se passou e falar-se agora noutros estudos.

Fernando Medina, que partilha este espaço de debate com Taborda da Gama, concorda e admite que ficou surpreendido com a decisão do INE.

“Conhecia as posições dos grupos de combate ao racismo, defendendo já de há muito tempo que esta pergunta fosse feita, e julguei que haveria uma convergência natural”, afirma.

“É que normalmente são esses grupos que se opõem, porque acham que vai levar a fenómenos de segregação. Aqui em Portugal, essas organizações disseram, desde a primeira hora, que precisavam de saber como forma de combate ao racismo. Então, é quando essas associações dizem que deve estar que o Estado diz não, não queremos saber?”, questiona.

“Não fazer a pergunta vai-nos deixar na ignorância, na ilusão, no desconhecimento daquilo que é o fenómeno da composição racial portuguesa e da forma como ela se organiza no território, como se organiza socialmente, como se vai cruzar com todas as variáveis, porque o Census é no fundo uma grande radiografia do país, feita de Norte a Sul, porta a porta”, sublinha ainda.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • M. Eugénia Prata Pinheiro
    18 jun, 2019 17:19
    Estes jovens estão enganados - o Censo não resolve nada. As instituições estatais têm os dados necessários para adotar políticas que atuem no combate aos guetos e à discriminação. Se governos, autarquias, diretores de escolas...quiserem agir, saberão todos os dados.