Fernando Medina-João Taborda da Gama
O presidente da Câmara de Lisboa e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver na capital olham para os principais temas da atualidade. Às terças e quintas, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Fernando Medina e João Taborda da Gama - PPP na saúde - 11/06/2019
Fernando Medina e João Taborda da Gama - PPP na saúde - 11/06/2019

Medina/Taborda da Gama

Discussão sobre PPP "não resolve qualquer problema" de saúde dos portugueses

11 jun, 2019


João Taborda da Gama e Fernando Medina comentam esta terça-feira as propostas sobre a Lei de Bases da Saúde e a discussão em torno das PPP.

“O que importa discutir é o que é melhor para a saúde dos portugueses”, defende João Taborda da Gama.

O debate político em torno da nova Lei de Bases da Saúde tem-se centrado muito na questão das parcerias público-privadas (PPP), modelo de gestão que Bloco de Esquerda e PCP rejeitam, mas que PS não quer descartar totalmente.

A saúde dos portugueses e o funcionamento do Serviço Nacional de Saúde “deve ser discutido sem preconceitos ideológicos à esquerda ou à direita”, defende Taborda da Gama, para quem a proposta do PSD é a mais sensata.

Nem João Taborda da Gama nem Fernando Medina consideram ser necessária uma nova Lei de Bases da Saúde e ambos concordam também que esta não é a melhor altura para a discutir.

“Em vésperas de eleições legislativas, a tendência é cada partido acentuar as suas diferenças”, diz Fernando Medina.

O presidente da Câmara de Lisboa diz que estamos perante “um jogo de sombras” e fala numa “lei que não resolve nenhum problema de fundo”, estando a “discussão afunilada num ponto ainda menos importante para a resolução de qualquer problema”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.