O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias de segunda a sexta-feira (05h40, 17h50 e 21h05).
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões - A cirurgiã mais velha do mundo - 20/05/2019
O Mundo em Três Dimensões - A cirurgiã mais velha do mundo - 20/05/2019

O Mundo em Três Dimensões

91 anos. A cirurgiã mais velha do mundo continua no ativo

20 mai, 2019 • André Rodrigues , Paulo Teixeira (sonorização)


Em 68 anos de carreira, Alla Levushkina realizou mais de 10 mil cirurgias e nunca perdeu nenhum paciente. A profissão é a sua vida. Não casou, não teve filhos e cuida de um sobrinho com necessidades especiais, mais oito gatos.

'Velhos são os Trapos'. O exemplo disso é uma médica russa, que se chama Alla Ilynichna Levushkina. Tem 91 anos, já realizou mais de 10 mil cirurgias e nunca perdeu um paciente na sala de operações.

Alla não está na reforma, nem tenciona aposentar-se. Tem 68 anos de carreira médica e a vida continua.

Para ela, operar não é uma profissão, é um estilo de vida. Não se casou, não teve filhos, mas cuida de um sobrinho com necessidades especiais e, ainda, de oito gatos. E diz não ter dúvidas de que o segredo da longevidade está na paixão que dedica àqueles a quem salva vidas.

É curioso falar sobre isto num país que, há poucas semanas, discutia um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos sugerindo o aumento da idade da reforma para os 69 anos, como forma de garantir a sustentabilidade do sistema de pensões da Segurança Social.

Na verdade, mais de um terço dos portugueses serão pensionistas em 2070. As estimativas antecipam um país com oito milhões de habitantes. Desses, 4,2 milhões de pessoas estarão em idade ativa.

Fazendo as contas, se daqui a 50 anos, mais de um em cada três portugueses for pensionista, isso significa que teremos mais 2,6 milhões de pessoas a viverem da sua pensão de reforma.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.