O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias de segunda a sexta-feira (05h40, 17h50 e 21h05).
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões - Irmãos - 15/05/2019
O Mundo em Três Dimensões - Irmãos - 15/05/2019

O Mundo em Três Dimensões

Irmãos mais velhos são mais inteligentes

15 mai, 2019 • André Rodrigues , Paulo Teixeira (sonorização)


No Dia Internacional da Família, revelamos números e histórias de vários estudos sobre irmãos.

Há um estudo que sugere que os irmãos mais velhos são mais inteligentes, os do meio são felizes e os mais novos são os mais populares.

É claro que estas conclusões não reúnem consenso. Ainda há dias falava com uma irmã do meio que me falava das desvantagens de estar encalhada entre dois manos. É seis anos mais velha do que o mais novo e quatro anos mais nova do que a primogénita.

O problema começa logo pela manhã, na casa de banho. O caçula passa 15 a 20 minutos a arranjar-se, a encher-se de desodorizante para homem e só tem 14 anos. Depois, a mais velha, porque simplesmente é mais velha - a idade é um posto - tem tempo na casa de banho sem limites. E a irmã do meio desespera, porque quer sair de casa para trabalhar.

Mas não é tudo: reza a lenda que a mais velha terá dito à mãe que tinha a obrigação moral de gostar mais dela, porque afinal a mãe até a conhece há mais tempo.

Vamos às conclusões científicas. Em 2007, um estudo feito na Noruega inquiriu 250 mil jovens adultos e concluiu que os irmãos mais velhos são 2,3 pontos mais inteligentes do que os seus irmãos mais novos.

Não será uma questão de ADN, terá mais a ver com a forma como os filhos mais velhos crescem. Os pais tendem a ser mais exigentes com os primeiros filhos, mais preocupados com o desempenho escolar das crianças.

Dúvidas houvesse, há um outro inquérito feito pela maior organização de líderes empresariais de todo o mundo. Num universo de cerca de 1600 inquiridos, registou-se que 43% dos CEO são irmãos mais velhos; 33% irmãos do meio; 23% irmãos mais novos.

Através das conclusões de 141 estudos sobre esta temática, conclui-se que: os irmãos do meio são mais preocupados com os outros e têm relacionamentos mais estáveis e felizes; os mais novos correm mais riscos e são os mais fixes do grupo; os filhos únicos são mais independentes; e no caso dos gémeos, um é a cara do outro.

Ainda assim, os gémeos - podem ser dois, três ou mais - entrarão sempre naquele número mágico dos 19 milhões de pessoas que celebram o aniversário no mesmo dia em todo o mundo.

A coisa boa é que são irmãos e isso tem um valor que não cabe em números, mas que cabe, de certeza, em muitas histórias.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.