Opinião de Ana Sofia Carvalho
A+ / A-

No dia do seu aniversário, uma homenagem a Frei Bernardo

13 mai, 2019 • Opinião de Ana Sofia Carvalho


Quem nunca sentiu o aconchego de Deus quando, em momentos difíceis, foi rezar um Pai Nosso com o Frei?

Frei Bernardo é, sem dúvida a letra viva da última exortação apostólica de Sua Santidade. Na verdade, todos os que tiveram o privilégio de ser seus amigos sentem que o Frei é um Santo que nos encoraja e acompanha e que, para nós, esteve sempre ao “pé da Porta”, pois vive dentro de nós como um reflexo da presença de Deus.

Os sinais, que tantas vezes sublinhou, “ser crente e coerente”, a borracha de olhos do menino do Flori com que nos chamava a atenção para a dificuldade de rezarmos em consciência a parte do Pai Nosso, “perdoai-nos as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tenha ofendido”, os livros e as fotocópias que nos ofereceu com a esperança inconsciente de que nos ajudem e nos mudem, são testemunhos vivos de uma vida de fé e de caridade”.

Quem nunca sentiu o aconchego de Deus quando, em momentos difíceis foi rezar um Pai Nosso com o Frei?

Por isso, e em conclusão, Frei Bernardo Domingues é ele mesmo uma obra viva que temos em mãos, uma obra que não tem fim e que não termina. Ela vai continuar a ser escrita por cada um de nós, tal é a profusão de sentimentos e vivências humanas que nos arrebatam do silêncio do seu pensamento. Um pensamento que fala calado no centro mais secreto do nosso santuário - a autoconsciência -, mas que calado fala, uma fala que silenciosamente se ouve mesmo no ruído.

Agradecemos, confiantes, hoje e sempre, a vida do Frei Bernardo Domingues, e pela fé acreditamos que junto do Pai intercede por nós.

Saibamos, pois, ser dignos da sua amizade e da sua mensagem. Que o Senhor nos ajude.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.