Aura Miguel
Opinião de Aura Miguel
A+ / A-

​As rosas do Papa

08 mai, 2019 • Aura Miguel • Opinião de Aura Miguel


Com toda a calma, Francisco pega numa pequena caixa cor-de-rosa e diz, enquanto se dirige pela coxia até ao meu lugar: “São rosas da Bulgária. É uma pequena lembrança pela viagem número 100.”

Quando terminou a conferência de imprensa, a bordo do avião, Francisco, ainda de microfone na mão, avisa:

– “Não quero ir embora sem falar do século…”, e faz uma pausa enquanto esperávamos a sua conclusão, “não do século da idade dela, mas das suas 100 viagens!”

Incrédula, levanto a cabeça dos meus apontamentos. O Papa não pode estar a referir-se a mim, pois três dias antes, já tinha assinalado o facto de esta ser a minha 100.ª viagem papal…

Com toda a calma, Francisco pega numa pequena caixa cor-de-rosa e diz, enquanto se dirige pela coxia até ao meu lugar:

– “São rosas da Bulgária. É uma pequena lembrança pela viagem número 100.”

Os meus colegas aplaudem. Levanto-me do meu lugar e, ainda atordoada, vejo o Papa Francisco diante de mim, a estender-me delicadamente uma caixa com rebuçados de rosas “Rose of Bulgaria Delight”.

– “Obrigada pela sua ternura”, agradeci de voz embargada.

Ele sorriu e voltou para o seu lugar da frente, longe da habitual confusão dos jornalistas que, entretanto, já fervilhavam à espera que servissem o jantar.

Só eu fiquei a matutar. E ainda agora, horas depois do sucedido, continuo sem palavras perante aquele gesto, tão bonito e tão humano, que “derrete” o coração. Mas que é, afinal, um gesto tão simples e ao alcance de todos, mesmo daqueles que têm pesadas responsabilidades e se preocupam com o destino da humanidade.

Pelo mundo fora. As 100 viagens (e as conversas) de Aura Miguel com os Papas
Pelo mundo fora. As 100 viagens (e as conversas) de Aura Miguel com os Papas
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.