O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias de segunda a sexta-feira (05h40, 17h50 e 21h05).
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões - Ayrton Senna - 03/05/2019
O Mundo em Três Dimensões - Ayrton Senna - 03/05/2019

O Mundo em Três Dimensões

25 anos sem Ayrton Senna

03 mai, 2019 • André Rodrigues , Paulo Teixeira (sonorização)


Foi a 1 de maio de 1994, o culminar de um dos piores fins de semana da história do desporto automóvel.

A Fórmula 1 nunca mais foi a mesma desde a morte de Ayrton Senna, no tempo em que os grandes prémios davam na televisão em sinal aberto ao domingo antes da uma da tarde.

1 de maio de 1994 foi há 25 anos. Para alguns, terá sido o último Grande Prémio que os colou ao ecrã.

Por estes dias, a televisão trouxe de volta aquelas imagens do choque do monolugar da Williams. Aquele monolugar número 2, pilotado por Senna a ir em frente contra o muro a 210 quilómetros por hora na fatídica curva Tamburello.

Foi o mais trágico dos fins de semana na história da Fórmula 1. Imola, San Marino, 1994. Senna morreu a 1 de maio. No dia anterior, Roland Ratzenberger também ficou pelo caminho.

Outro acidente mortal, na sessão de treinos. Ia ser o terceiro GP de Fórmula 1 da carreira do piloto austríaco que morreu aos 33 anos.

Mas o que fica para a história desse fim de semana é o desaparecimento daquele que juntamente com Alain Prost, Nigel Mansell e Nelson Piquet era considerado um dos mais nobres cavaleiros da Fórmula 1.

E entre tantos números que contam a história de Ayrton Senna, há um que me chamou a atenção: 162 mil euros. É o valor pelo qual foi leiloado o icónico capacete amarelo da temporada de 1990, o ano em que Senna conquistou o segundo de três campeonatos do mundo ao serviço da McLaren.

E o mais curioso é que este casco vendido por 162 mil euros é um recorde que supera outro capacete de Ayrton Senna, aquele com que o piloto brasileiro alcançou o título de 1991. Licitado por 85 mil euros. São valores exorbitantes que muitos gostariam de ter para eternizar a memória de um dos melhores pilotos da história da Fórmula 1.

O desporto automóvel onde os carros pesam pouco mais de 600 quilos, 95 dos quais só em motor, um V8... E este é um dos mais leves do mundo. Com sete velocidades, demora 2,6 segundos dos 0 aos 100. Motores que podem atingir as 19 mil rotações e uma velocidade máxima de 362 quilómetros por hora.

No interior do cockpit, a temperatura pode chegar aos 55 graus. É duro, mas tem as suas vantagens. Cada piloto perde, em média, dois quilos por Grande Prémio de Fórmula 1.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.