Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00, com reposição à segunda às 00h00.
A+ / A-
Arquivo
Conversas Cruzadas - Venezuela, o muro "entre a paz e a guerra" - 10/02/2019
Conversas Cruzadas - Venezuela, o muro "entre a paz e a guerra" - 10/02/2019
José Pedro Teixeira Fernandes, no programa "Conversas Cruzadas". Foto: RR

Venezuela, o muro "entre a paz e a guerra"

10 fev, 2019 • José Bastos


José Pedro Teixeira Fernandes, Carvalho da Silva e Luís Aguiar Conraria analisam a semana.

"Tenhamo-lo muito claro: a maior disjuntiva que hoje tem a Venezuela é entre a paz e a guerra", alertou o presidente uruguaio Tabaré Vázquez na abertura do encontro do chamado 'grupo de contacto' em Montevideu.

Uruguai, México e União Europeia promoveram a reunião - em que esteve presente o ministro português Augusto Santos Silva - com repetidos apelos à serenidade das partes envolvidas e à prudência da comunidade internacional para que uma situação já muito volátil não degenere em guerra civil.

"Evitar a violência interna e a intervenção externa é essencial" afirmou, por seu turno, Federica Mogherini. Para a União Europeia é necessário "abrir caminho para um processo político credível que conduza a eleições antecipadas", tese partilhada por Augusto Santos Silva.

Enquanto a diplomacia se reunia no Uruguai, os militares chavistas ergueram 'um muro' formado por três camiões cisterna e atrelados na ponte fronteiriça de Ureña que liga à Colômbia. A imagem, plena de simbolismo, correu mundo.

Os militares do regime pretendem barrar a entrada de ajuda humanitária para suavizar a tragédia social que se abate sobre os venezuelanos.

O tom dos discursos oficiais elevou-se a graus pré-bélicos. "A ajuda é uma patranha para invadir a Venezuela, disse Diosdado Cabello, o número dois da 'revolução bolivariana'. "Estamos preparados, com as armas prontas para defender o país", prosseguiu Cabello avisando que países como Portugal, ao reconhecer Juan Guaidó, estão a "colocar em perigo a vida dos seus cidadãos".

O papel dos militares, o de Putin e de Trump e a posição de Portugal na crise da Venezuela são tópicos em debate no Conversas Cruzadas onde se olhará antes ainda para a actualidade nacional com a greve cirúrgica dos enfermeiros depois da requisição civil.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luiz Graça
    17 fev, 2019 Ponte de Lima 13:34
    No programa de hoje, quando colocada Carvalho da Silva a questão das eventuais responsabilidades de Teixeira dos Santos e Vítor Constâncio, José Pedro Teixeira Fernandes foi literalmente "bandarilhado" pelo velho representante do PCP/CGTP que o deixou "pendurado", sem responder. Confesso que me custa verificar a passividade e maciez dos "media" para com qualquer esquerda. Exijo mais da RR!