Francisco Assis-João Taborda da Gama
Um eurodeputado a viver em Bruxelas e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver em Lisboa olham para os principais temas da atualidade. À terça e quinta, às 9h15.
A+ / A-
Arquivo
Francisco Assis e João Taborda da Gama - 05/02/2019
Francisco Assis e João Taborda da Gama - 05/02/2019

F. Assis

Mala diplomática rejeitada "é primeiro episódio" de um "período muito complicado"

05 fev, 2019


Portugal, tal como outros países da União Europeia, deixaram de reconhecer Nicolás Maduro como Presidente venezuelano. Na sequência, Maduro prometeu rever as relações bilateriais com esses países.

O eurodeputado socialista Francisco Assis considera que a proibição de entrada na Venezuela da mala diplomática que elementos da força especial da PSP transportava para o país é "primeiro episódio" de um "período muito complicado"

"É a dificuldade desta situação. Reconhecemos um Presidente que não tem poder e deixámos de reconhecer um Presidente que tem poder", diz o comentador da Renascença, esclarecendo que é a favor do reconhecimento de Juan Guaidó como Presidente interino da Venezuela.

Portugal, tal como outros países da União Europeia, deixaram de reconhecer Nicolás Maduro como Presidente venezuelano. Na sequência, Maduro prometeu rever as relações bilateriais com esses países.

Já o professor universitário João Taborda da Gama não tem dúvidas que "algo se passou mal". "Ou as armas não deviam ter sido descobertas e foram descobertas ou, para ser feito às claras, isto devia ter sido combinado dos dois lados da fronteira", diz, defendendo que "tratando-se de armas e de forças especiais, essas coisas costumam ser combinadas com o outro país".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.