Opinião de Luís Cabral
A+ / A-

​Que se passa com o ténis profissional?

01 fev, 2019 • Opinião de Luís Cabral


Há uma tendência clara para a concentração e desigualdade que também se verifica no desporto.

Uma das características das economia do século XXI é a tendência para a concentração: os artistas de topo (e.g., Madonna) ganham mais do que algumas vez os artistas ganharam; os autores de topo (e.g., JK Rowling) vendem mais do que alguma vez um escritor vendeu; as empresas de topo (e.g., Goggle) atingem uma dimensão desproporcionada em relação à dimensão média dos sectores que ocupam; e os gestores de topo auferem salários centenas de vezes superiores ao resto dos trabalhadores.

Esta tendência clara para a concentração e desigualdade verifica-se também no desporto. Por exemplo, os campeonatos de futebol da Inglaterra e Espanha têm, em termos relativos, uma importância muito maior do que tinham há 30 ou 40 anos.

Embora seja difícil sintetizar num ponto a causa de todos estes movimentos de concentração, os economistas têm alguma noção das principais forças em jogo. Em particular, a globalização — muito acelerada pela Internet no mundo digital — parece desempenhar um papel muito importante.

Como explicar, no entanto, o que se passa no ténis profissional masculino? Desde há cerca de 15 anos que este desporto é dominado por três jogadores apenas. Nunca na história do ténis se viu uma concentração tão grande no topo dos rankings. Aliás, os 3 jogadores que ganharam mais torneios 'grand slam' na história do ténis são Federer, Nadal e Djokovic — os 3 jogadores de topo da actualidade.

Como explicar a concentração do domínio no ténis masculino? Os mecanismos que explicam o que se passa com a Madonna, a JK Rowling e o Ronaldo não se aplicam ao êxito dos profissionais do ténis. Há que encontrar outra razão: Falta de aparecimento de novos talentos?

Jogadores que se mantêm no circuito por mais anos? Mera coincidência estatística?

Não sei a resposta, mas o problema é interessante.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.