|
A+ / A-

​Tragédia em Borba “era perfeitamente evitável” com recurso a tecnologias já disponíveis

18 jan, 2019 • Cristina Nascimento


Startup portuguesa tem tecnologia que faz uso inédito da inteligência artificial para prever problemas em pontes, estradas e viadutos. À Renascença, responsável garante que até acidente em Entre-os-Rios podia ter sido evitado.

A tragédia de Borba “era perfeitamente evitável”, garante Ricardo Carmona, um dos responsáveis da MATEREO, uma startup portuguesa especializada em sistemas de vigilâncias de infraestruturas da rede viária e ferroviária.

Em entrevista à Renascença, dois meses depois de um troço da estrada municipal 255 ter resvalado para a pedreira, causando a morte de cinco pessoas, Carmona explica que a tecnologia atual permite fazer um acompanhamento em tempo real das condições de pontes, estradas, viadutos e outros elementos das redes viárias e ferroviárias.

“Atualmente, ao nível tecnológico, já não existem razões absolutamente nenhumas para uma ponte colapsar sem ninguém saber”, garante.

Ricardo Carmona vai mais longe e diz que até a queda da ponte Entre-os-Rios, a 4 de março de 2001, que resultou na morte de 59 pessoas, podia ter sido evitada.

Dados da União Europeia, destaca o especialista, indicam que mais de 30% dos viadutos e pontes nos Estados-membros estão em avançado estado de degradação e que Portugal não foge a esta média. Sem nomear sítios específicos, Carmona lembra que as redes viária e ferroviária em Portugal têm mais de 50 anos e que, em muitos casos, há falta de manutenção.

O que fazem na vossa empresa?

Na MATEREO desenvolvemos um sistema de monitorização de pontos com inteligência preditiva e o que isto representa. O sistema vai permitir prever com alguma antecedência danos que atualmente só são identificados muito em cima do acontecimento, quando os problemas já aconteceram. Já temos tecnologia suficiente para conseguirmos prever com alguma antecedência, e com bastante rigor, problemas neste tipo de infraestruturas e com isto conseguir, para além de poupar tempo e dinheiro nas tarefas de inspeção, monitorização e manutenção, acima de tudo salvar vidas e protegermo-nos.

A queda da ponte Entre-os-Rios e o recente colapso de um viaduto em Génova são tragédias que podiam ser evitadas?

Sim. Mesmo na altura de Entre-os-Rios já havia tecnologia para ir fazer um acompanhamento mais periódico, mais em tempo real. Hoje em dia falamos muito em tempo real porque conseguimos receber dados de uma forma instantânea, estar sempre a receber informação sobre as infraestruturas. Com a evolução da tecnologia de sensores, das plataformas “cloud”, conseguimos estar muito em cima de todos os acontecimentos e monitorizar em contínuo qualquer tipo de infraestrutura.

Catástrofes desta envergadura já eram possíveis de prever na altura porque, ao fazer-se um acompanhamento periódico de alguns tipos de fenómenos específicos, como o caso dos assentamentos das sapatas, o deslocamento da infraestrutura, é possível prever quais serão as consequências.

E quanto à tragédia em Borba, a vossa tecnologia podia tê-la previsto?

Sim, este tipo de tecnologia permite atuar em qualquer tipo de infraestrutura, seja uma estrada, uma ponte, uma barragem, um talude como é o caso de Borba. Ainda por cima naquele caso já estava identificado como perigoso há vários anos, já tinham sido feitas obras de reforço, aquilo estava muito bem sinalizado. Havia um problema iminente e, claro, se houvesse uma tecnologia a acompanhar em tempo real a monitorização dos deslizamentos daquela encosta, sim, isto era perfeitamente evitável.

Então porque é que estes fenómenos continuam a acontecer? O Estado não tem dinheiro para fazer este tipo de vigilância?

Em certa parte sim, ou seja, nós temos pouca tendência de fazer manutenção preditiva dos nossos ativos.

Ainda hoje em dia? Ainda é essa lógica?

Ainda hoje em dia. Nós, portugueses, temos um pouco essa cultura, infelizmente. Há muito a cultura de que o problema pode ser empurrado um pouco mais, “ainda não é hoje que vai acontecer”, ainda não é preciso tomar as devidas precauções. Conseguimos sempre ir prolongando e felizmente os materiais deste tipo de estruturas vão aguentando um pouco mais e até aguentam com mais umas fissuras e nós vamos empurrando esses problemas, tentando com isso poupar algum dinheiro, o que, no final, leva a gastos astronómicos.

Que vigilâncias é que fazem neste momento?

Estamos numa fase de implementação de projetos-piloto, uma vez que somos uma startup tecnológica muito recente. Por acaso já estamos em conversações com as Infraestruturas de Portugal com o objetivo de instrumentar algumas infraestruturas mais críticas. Teremos grandes novidades sobre isto nos próximos tempos.

Quais são as estruturas mais críticas?
Ainda não estão identificadas. Começámos muito recentemente as conversações com as Infraestruturas de Portugal. Existe uma preocupação do lado deles, e isso é bom. Temos efetivamente grandes técnicos a fazer trabalho de inspeção e de manutenção, mas pode não ser suficiente face ao envelhecimento da nossa rede viária e rede ferroviária. Temos uma rede viária muito acima dos 50 anos em idade média, temos pontes com muitos anos, com danos acumulados já bastante avançados. Mas a preocupação existe e acho que, no futuro próximo, vamos conseguir instrumentar algumas das infraestruturas que mais precisem.

Mas consegue nomear algumas infraestruturas específicas em estado de degradação mais avançado?

Estar a identificar casos específicos é sempre um risco, não o posso fazer. Mas se olharmos à nossa volta, qualquer infraestrutura com mais de 50 anos já é um potencial risco. São dados conhecidos e publicados a nível europeu: mais de 30% das pontes e viadutos da União Europeia encontram-se em estado avançado de degradação e em muitos deles, na sua grande maioria, nem se conhece a origem dos problemas. Portugal não está fora destes números

A que estudo se refere?

São dados apresentados pela União Europeia. Normalmente convocam equipas técnicas que fazem a peritagem, que vão fazendo o levantamento das redes viárias a nível europeu. A nível nacional, a Infraestruturas de Portugal também faz muito esse trabalho, está sempre em cima desses números, apesar de nem sempre conseguir agir atempadamente, por falta de recursos humanos ou financeiros.

Essa proporção de 30% de viadutos em mau estado de conservação a nível europeu aplica-se a Portugal?

Sim. não será descabido. Esta é uma média levantada, há certamente países com uma rede mais envelhecida que outros. Aquele que está identificado como mais crítico é Itália. Portugal acredito que não esteja muito longe dos 30%.

Nesse ranking liderado por Itália, Portugal está em que lugar?

Possivelmente nos primeiros lugares, porque o sul da Europa tradicionalmente tem uma rede viária muito mais envelhecida. França também não é um país que tenha uma situação muito favorável, ao contrário do que aparenta. As estruturas novas estão em muito bom estado, mas as mais antigas padecem do mesmo problema.

Para além da idade, também há a questão da manutenção. Em Portugal, é isso que temos? Pontes com 50 anos e falta de manutenção?

Em muitos casos sim. Pontes com 50 anos com pouca manutenção, com pouco acompanhamento, especificamente em casos em que os fenómenos naturais são mais gravosos, como junto ao mar, em leitos de cheia. Há zonas mais críticas que outras, mas normalmente dá-se prioridade a essas zonas mais complexas. Ainda assim, o maior problema é esse, a idade agravada e o pouco acompanhamento das estruturas.

Já alguma vez fizeram as contas a quanto custaria ao Estado usar a vossa tecnologia para monitorizar toda a rede viária e ferroviária de Portugal?

Nunca fizemos essas contas, mas seria um investimento elevado, porque é uma tecnologia que ainda é cara. Mas se analisarmos as vantagens a longo prazo, temos a certeza de que iria haver grandes benefícios para todos nós, porque somos nós que, no fundo, financiamos todos estes investimentos.

Depois de Borba, circularam fotografias nas redes sociais mostrando o viaduto Duarte Pacheco em aparente estado avançado de degradação e voltou o debate sobre as condições da Ponte 25 de abril que, aliás, vai entrar em obras. Acha que há motivos de preocupação com qualquer uma dessas infraestruturas?

Não, nesses casos não, especialmente a Ponte 25 de Abril, diria que é a ponte mais controlada do país e uma das mais controladas se calhar do mundo inteiro. Existem equipas permanentes a acompanhar o estado daquela infraestrutura, técnicos com grande experiência. É daquelas em que podemos estar plenamente seguros, creio que não me arrisco muito a dizer isto.

Há algum sítio do país por onde passe com receio?

Há algumas zonas do país por onde se calhar passamos menos à vontade, sim. Então para o Norte, ao longo do rio Douro e do rio Mondego, algumas pontes até já estão interditadas. Questionamos se todas elas estão a ser bem acompanhadas, até porque é difícil, sobretudo quando chegamos à altura do inverno em que o rio tem secções de cheia muito elevadas. Nessas alturas ninguém consegue monitorizar o que quer que seja, porque é impossível levar lá uma pessoa para controlar se as sapatas estão a ceder, se está a haver erosão. A não ser que se introduza um sistema que permita controlar remotamente e em tempo real e que nos permita dizer “OK, isto está em bom estado de funcionamento”.

Portanto, em termos tecnológicos não há hoje razão para uma ponte ou uma estrada desabarem de um momento para o outro sem aviso e com consequências de custos de vidas humanas?

Atualmente ao nível tecnológico, já não existem razões absolutamente nenhumas para uma ponte colapsar sem ninguém saber, é uma questão de investimento, de mais ou menos investimento.

A vossa tecnologia é única no mundo?

Já existem empresas mundialmente conhecidas muito grandes a fazer este tipo de trabalhos. O que nós introduzimos de novo foi a inteligência artificial para analisar milhões de dados em muito pouco tempo, o que nos permite detetar danos e a concluir que determinada estrutura tem um problema. Identificamos o problema, localizamos o problema e damos essa indicação, em tempo real, a quem está responsável por essas infraestruturas.

Essa novidade tem um potencial de exportação muito grande, certo?

É nisso que estamos a investir. Até o próprio modelo de negócio que estamos a criar já está baseado na mais fácil exportação do nosso produto, que é o sistema que faz a análise, o software. Estamos em contactos já muito avançados com Espanha para instrumentar algumas pontes da rede ferroviária espanhola. Eles estão a investir muito na prevenção e na modernização da ferrovia e um dos pilares base desse investimento são as novas tecnologias que permitem antecipar problemas nessa mesma rede.

Como chegaram a esta fórmula de sucesso?

O acompanhamento em tempo real já se faz bastante hoje em dia. O introduzir a inteligência artificial para análise de problemas estruturais surgiu, no nosso caso, porque estamos incubados no programa da Agência Espacial Europeia há dois anos e fomos aprendendo muito com as metodologias utilizadas pelas equipas de Engenharia da indústria aeroespacial. Pensámos: se temos todo o 'know-how' das pontes e toda a tecnologia disponível dos métodos preditivos, então vamos trazê-los para esta indústria que ainda está tão atrasada relativamente a outras como a aeroespacial, aeronáutica e automóvel.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.