Jacinto Lucas Pires-Henrique Raposo
Um escritor, dramaturgo e cineasta e um “proletário do teclado” e cronista. Discordam profundamente na maior parte dos temas. À segunda e quarta, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Balanço 2018 e Antevisão 2019 - 31/12/2018
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Balanço 2018 e Antevisão 2019 - 31/12/2018
Mais Opções
Partilhar
J. Lucas Pires

"2019 será o ano em que Trump vai ser destituído"

31 dez, 2018


Comentadores da Renascença fazem um balanço de 2018 e uma antevisão de 2019. Henrique Raposo aconselha "sangue-frio" para enfrentar outros movimentos populistas.

O comentador da Renascença Jacinto Lucas Pires acredita que "2019 será o ano em que Trump vai ser destituído".

"É um misto de esperança e profecia fácil", diz o comentador considerando que o "cerco legal começa a apertar e já são os próprios membros da equipa que já não querem estar ao pé dele".

"A justiça está aproximar-se de Trump e o 'impeachment' pode estar mais perto do que parece", acrescenta.

Já Henrique Raposo deixa uma nota positiva para o ano que vai começar, considerando que é possível travar novos movimentos populistas que possam surgir. "É importante manter o sangue-frio", remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    02 jan, 2019 Lisboa 09:36
    Teria preferido que 2019 fosse o ano da alteração da Legislação Eleitoral, com (finalmente!) a hipótese de votar em pessoas, não em Partidos, com o nível de abstenção a ter reflexos directos em número de cadeiras vazias no Parlamento, com a possibilidade real de responsabilidade criminal (com prisão efectiva) de governantes e com demissão imediata de governos que uma vez eleitos, se afastam das promessas feitas em campanha eleitoral, de possibilidade de impeachment de Presidentes que se afastam do seu papel de árbitros imparciais para serem ministros sem pasta do governo em funções (cavaco Silva)... Por aí fora. Trump? Foi eleito e ninguém esperava, se calhar nem os que votaram nele como protesto. Pode não se gostar, mas até está a cumprir o que prometeu, e acho que vai levar o mandato até ao fim.
  • Walter
    31 dez, 2018 lisboa 15:40
    Os EUA não se podem dar ao luxo de impinchar o seu Presidente,tal como o RU tem q cumprir o Brexit.Serai o descredito destas grandes democracias não marxistas.Nenhum PR EUUU foi demetido porquê TRUMP?Porquê repetir o referendo RU desacreditando o sistema politico ingles e sua credibilidade.Nos EUA mandam os americanos ,na Inglaterra os ingleses.As constantes interferências externas só prejudicam seriamente os paise q as fazem.Porque não falam e criticam Maduro?ou XI???Há parcialidade nos enfoques e o povo leva por tabela.