Auto-rádio
O mundo da mobilidade (segundas e quartas, às 16h40)
A+ / A-
Arquivo

Skoda Karoq - Equilibrado em tudo.

11 dez, 2018 • José Carlos Silva


Skoda Karoq 1.0 com 116 Cavalos, candidato ao troféu Essilor - Carro do Ano 2019.

Há carros que se descobre num instante qual a sua parte “sexy”.

Outros, nem tanto.

É o caso do Skoda Karoq. Em particular este que testámos e que é candidato ao troféu Essilor Carro do Ano 2019 e que concorre também à categoria de SUV compacto do ano. O motor escolhido foi o 1.0, de 116 cavalos.

Um motor pequeno que responde de forma razoável muito graças ao turbo. Não tem pretensões desportivas, e acaba por ser penalizado nos consumos quando se tenta impor um ritmo mais enérgico. A caixa automática DSG podia ser mais assertiva .Pode ser este o preço a pagar por um produto, muito equilibrado.

Se olharmos para o exterior e para o interior, o Skoda Karoq é irrepreensível.

Uma linha e cintura elevada que dá origem a um automóvel bem proporcionado à imagem dos irmãos mais velhos da marca. As barras no tejadilho dão-lhe a graça de uma pequena carrinha.

Uma boa visibilidade, iluminação superior, equipamento de navegação são outros trunfos.

Irrepreensível igualmente no interior. Com um espaço de fazer inveja aos concorrentes diretos, espaçoso para três no banco de trás, sobretudo em largura, e igualmente espaçoso à frente com uma bagageira à altura de um passeio mais prolongado.

E já que de arrumação falamos, a este Karoq não lhe faltam espaços de arrumação. No tablier, porta luvas, portas laterais - com elástico para prender objetos -, porta-óculos, etc.

O Karoq substitui o Yeti, um carro que se amava ou odiava. Justa ou injustamente. Difícil é descobrir o argumento paixão, que tantas vezes impulsiona a compra.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.