A+ / A-

​Exposição “Eça e Os Maias. Tudo o que tenho no saco”


Fotografia, pintura, escultura, música e filmes, caricaturas, cartas, crónicas, peças do espólio pessoal de Eça de Queiroz mostradas pela primeira vez em Lisboa

“Eça e Os Maias. Tudo o que tenho no saco” é a exposição que comemora os 130 anos da publicação d’ "Os Maias. Episódios da Vida Romântica", obra-prima de Eça de Queiroz.

A exposição tem o apoio Renascença e pode ser visitada até 18 de fevereiro.

O título da exposição vem de uma frase que Eça escreveu, numa carta enviada ao seu amigo Ramalho Ortigão, onde referia que tinha “o romance praticamente pronto”. Decidira fazer “não só um ‘romance’, mas um romance em que pusesse tudo o que tenho no saco”.

Apesar de praticamente pronto em 1881, “Os Maias” só viram a luz do dia em 1888 e só foram reconhecidos como a obra-prima do escritor já no século XX.

“130 depois, a Fundação Calouste Gulbenkian inaugura uma exposição para que se possa ver tudo o que Eça trazia no saco. Os Maias são o eixo central da mostra, mas à sua volta, gravitam outras obras do autor – crónicas, romances, contos e muitas cartas –, fotografias, pinturas, caricaturas, gravura, música da época e excertos de filmes, bem como objetos do seu espólio pessoal guardados na Casa de Tormes (propriedade da Fundação Eça de Queiroz) nunca antes mostrados em Lisboa.

Na Galeria do Piso Inferior do Edifício Sede estão expostas obras de Paula Rego, Júlio Pomar, João Abel Manta, Raphael Bordallo Pinheiro, Raquel Roque Gameiro, Bernardo Marques, Manoel de Oliveira, João Botelho, entre outras, e objetos pessoais de Eça, nomeadamente a secretária pessoal (e o tinteiro em latão e a palmatória de iluminação) onde Eça gostava de escrever de pé, o móvel de arquivo, a estante giratória ou a cabaia chinesa que lhe foi oferecida pelo Conde de Arnoso."

A exposição, organizada em colaboração com a Fundação Eça de Queiroz, tem uma vasta programação paralela (cinema, conversas, jantares queirosianos) que pode ser consultada na página oficial de “Eça e Os Maias. Tudo o que tenho no saco”.

Informações:

Bilhetes: Entrada livre

Horário: 10h – 18h
30 nov – 18 fev 2019 - Encerra à terça

Local:
Edifício Sede – Galeria do Piso Inferior, Av. de Berna, 45A, Lisboa

Escolas e Grupos:

Dias úteis das 10h às 13h - Mediante marcação prévia
Marcações para visitas guiadas:
217 823 800
descobrirmarcacoes@gulbenkian.pt

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.