|
O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias de segunda a sexta-feira (05h40, 17h50 e 21h05).
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões - Vacinas - 03/12/2018
O Mundo em Três Dimensões - Vacinas - 03/12/2018

O Mundo em Três Dimensões

Portugueses são os europeus que mais confiam nas vacinas

03 dez, 2018 • André Rodrigues , Paulo Teixeira (sonorização)


Um estudo da comissão europeia diz que 98% da população nacional acredita na segurança e na eficácia das vacinas. Uma exceção, numa Europa que desconfia mais das vacinas do que qualquer outra parte do mundo.

Numa Europa que confia cada vez menos nas vacinas, Portugal é a exceção: ao contrário de outros países, 98% dos inquiridos portugueses que responderam a um estudo da Comissão Europeia dizem confiar na segurança e na eficácia das vacinas.

O tema tornou-se mais atual por estes dias, depois de o Parlamento ter aprovado a introdução das vacinas da meningite B, do rotavírus e do HPV para os rapazes no Programa Nacional de Vacinação.

Três vacinas cuja inclusão é questionada pela Direção-Geral da Saúde, até porque ainda não há um consenso científico que fundamente a universalização destas vacinas.

Por isso, à política o que é da política. E aos especialistas o que é dos especialistas.

E isto não é opinião. É facto. Os deputados sobrepuseram-se aos especialistas da Comissão Nacional de Vacinação.

O que significa que, tecnicamente, ninguém sabe ao certo se estamos a falar de uma mais valia para os utentes ou se, no limite, não está a ser posta em causa a segurança de quem toma essas mesmas vacinas.

Mas regressemos ao dito estudo da Comissão Europeia. O espaço comunitário tem menos confiança na segurança das vacinas do que outras regiões do mundo.

Na verdade, 70% dos países desconfiados estão na Europa.

E de quem é a culpa? Da internet. Onde proliferam os grupos anti-vacinas que veiculam informação enganosa sobre possíveis efeitos colaterais adversos.

Na Bulgária, um terço das pessoas duvida da segurança das vacinas.

Quanto à eficácia, a Letónia é o país menos crente: apenas 71% dos inquiridos acreditam que as vacinas são eficazes.

O inquérito incluiu também uma pergunta específica sobre a vacinação do sarampo, uma doença que volta e meia lá ressurge.

De resto, em Portugal, tem sido notícia o surto na região de Lisboa. Mais de 30 casos reportados desde 8 de novembro.

Pois bem, também no caso do sarampo, Portugal é o país que mais acredita que a vacina não só é segura como é necessária para prevenir o surgimento desta doença e de outras como a rubéola ou a papeira.

Do lado contrário estão a Suécia, a Bélgica, a Bulgária e a Letónia, que põem em causa a segurança da vacina do sarampo.

Mas Inverno que se preze, é tempo de gripe.

No conjunto da União Europeia, a população que considera a vacina segura está abaixo dos 70%.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.