Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

Contas fechadas

21 nov, 2018 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Com o apuramento para a "final four" já garantido, o exame final não merece nota muito alta. Mas aceita-se o que se passou.

Não se cumpriram as expectativas nos jogos realizados ontem, em Chaves e em Guimarães

Com sortes diferentes, as selecções nacionais de futebol terminaram por agora um ano cujo balanço acaba por não ser inteiramente positivo.

E, neste aspecto, a primeira e não muito positiva nota vai para a selecção de sub-21 anos que parecia ter o pássaro na mão mas que acabou por deixar fugir na cidade transmontana de forma incompreensível e depois de um jogo incaracterístico, sem rasgo, sem classe.

Depois de terem ganho na Polónia, parecia um dado adquirido a qualificação dos comandados de Rui Jorge para a fase final do próximo campeonato da Europa.

Afinal o jogo de Chaves trouxe-nos a novidade de uma equipa sem intensidade e a jogar de forma quase sempre igual e ineficaz.

Há, por isso, que esperar por outra oportunidade, sem deixar de recordar que estes jovens futebolistas desperdiçaram uma excelente oportunidade de voltarem a mostrar a qualidade do seu futebol.

Quanto à selecção principal, era ousado exigir-lhe algo muito diferente daquilo que veio a acontecer. Fernando Santos fez, como se esperava, uma mão cheia de alterações em relação ao jogo com a Itália, baixando assim a qualidade e dando oportunidade a que os polacos se redimissem um pouco daquilo que de menos bem fizeram na sua própria terra.

E, assim, o vento soprou mais forte de leste: a selecção da Polónia acabou por se revelar mais forte, podendo até ter justificado mais do que o empate.

Do lado português, com o apuramento para a "final four" já garantido, o exame final não merece nota muito alta.

Mas aceita-se o que se passou. As circunstâncias determinaram o desfecho.

Artigos AnterioresRibeiro Cristovão
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.